Publicidade

Estado de Minas

China se opõe a uma resposta militar 'impulsiva' na Síria


postado em 10/04/2018 11:06

A China afirmou que é contra qualquer resposta militar "impulsiva" na Síria, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu responder "com força" o governo sírio após um suposto ataque químico.

O suposto ataque na cidade de Duma, último reduto rebelde na proximidades da capital Damasco, deixou mais de 40 mortos no sábado, de acordo com os capacetes brancos (um grupo de socorristas na área rebelde) e a ONG Syrian American Medical Society, que tem sede nos Estados Unidos.

A AFP não conseguiu confirmar o balanço com fontes independentes.

"A China se opõe ao uso impulsivo da força e às ameaças de utilização da força nas relações internacionais", afirmou Geng Shuang, porta-voz do ministério das Relações Exteriores.

"Primeiro deve acontecer uma investigação completa, imparcial e objetiva e nenhuma parte pode prejulgar os resultados para extrair conclusões arbitrárias", completou.

"As ações militares não nos levarão a nenhum lugar".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade