Publicidade

Estado de Minas

EUA dizem que ataque contra sírios 'tem que acabar'


postado em 08/02/2018 17:00

Os Estados Unidos exigiram nesta quinta-feira (8) que o governo sírio e as forças russas parem com os mais recentes ataques aéreos e com os supostos ataques químicos contra os civis sitiados.

Em um comunicado do Departamento de Estado, Washington mostrou seu apoio ao apelo da ONU para um cessar-fogo na Guta Oriental, reduto rebelde, e exigiu que Moscou controle seu aliado.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) estimou que mais de 200 civis morreram em quatro dias de ataques aéreos do governo na Guta Oriental.

"Esses ataques precisam acabar agora", disse a porta-voz Heather Nauert.

"Os Estados Unidos estão extremamente preocupados com a escalada da violência em Idlib, na Guta Oriental e em outras aéreas da Síria ameaçadas pelos ataques aéreos do governo e da Rússia".

"Estamos novamente chocados com os recentes relatos sobre o uso de armas químicas pelo regime de Assad e a escalada de bombardeios que resultou em dezenas de mortes civis nas últimas 48 horas".

Os oficiais americanos acreditam que o governo sírio tenha usado cloro como arma química ilegal nos últimos ataques à Guta e em outros locais.

"Os Estados Unidos apoiam os apelos das Nações Unidos para um mês de cessar da violência, a fim de que a ajuda humanitária possa chegar, além da evacuação médica urgente de cerca de 700 civis na Guta Oriental", declarou Nauert.

"A Rússia precisa usar sua influência com Damasco para garantir que o governo sírio permita imediatamente que a ONU forneça assistência a essa população extremamente vulnerável".

No entanto, nesta quinta-feira a Rússia se manifestou rejeitando o "irreal" pedido da ONU de cessar-fogo humanitário.

"Isso não é realista", declarou o embaixador russo, Vassily Nebenzia, a repórteres.

"Gostaríamos de ver um cessar-fogo, o fim da guerra, mas não estou certo de que os terroristas estejam de acordo", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade