Publicidade

Estado de Minas

Eurocâmara pede sanções contra Maduro e a estatal PDVSA


postado em 08/02/2018 10:24

A Eurocâmara pediu nesta quinta-feira uma ampliação das sanções europeias ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a seu entorno e à estatal PDVSA, ao mesmo tempo que exigiu a restituição do direito dos políticos opositores a participar na próxima eleição presidencial.

Em uma resolução aprovada por 480 votos favoráveis, 51 contrários e 70 abstenções, os eurodeputados pedem a aplicação de sanções contra o presidente, o vice-presidente Tareck el Aissami e seu entorno, "parentes incluídos", por considerá-los "responsáveis pelo agravamento da crise".

A decisão foi anunciada horas depois do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) ter divulgado que a eleição presidencial antecipada acontecerá em 22 de abril, apesar do fracasso do governo e oposição em assinar um acordo que incluía a data e garantias para a a votação.

A resolução dos eurodeputados lamenta a decisão da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) de antecipar as eleições e a sentença do Tribunal Supremo de Justiça de proibir a participação de candidatos opositores.

A União Europeia (UE) "reconhecerá apenas eleições baseadas em um calendário eleitoral viával e acordadas no contexto de diálogo nacional com o conjunto de (...) partidos políticos, assim como com condições de participação equitativas, justas e transparentes".

Durante um debate na terça-feira, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, pediu "garantias para eleições livres, transparentes e confiáveis".

Em novembro, a UE aprovou o primeiro pacote contra a Venezuela, um embargo de armas e de material que poderia ser usado na "repressão interna". Em janeiro aprovou um veto aos vistos e o congelamento de ativos para sete altos funcionários do país, incluindo os presidentes do CNE e do Tribunal Supremo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade