Publicidade

Estado de Minas

Petrobras aposta por barril de Brent a US$ 70 para acelerar recuperação financeira


postado em 07/02/2018 23:00

A Petrobras aposta na manutenção do preço do barril de Brent em torno dos 70 dólares para acelerar seus objetivos de recuperação financeira, indicou nesta quarta-feira o presidente da companhia, Pedro Parente.

O executivo considerou também que qualquer plano de privatização após as eleições presidenciais de outubro poderia ser "perturbador" para a empresa, que nos últimos anos foi afetada pela queda dos preços do petróleo e pelo escândalo da Lava-Jato.

Em um encontro com a imprensa na sede da Petrobras no Rio de Janeiro, Parente afirmou que o atual plano de recuperação baseado em grande parte na venda de ativos se sustenta enquanto o barril de Brent se mantiver acima dos 62,40 dólares.

A dívida líquida da empresa representava no terceiro trimestre do ano passado 3,2 vezes o montante de seu Ebitda ajustado, e o plano para este ano é reduzir essa relação a 2,5 vezes, totalizando um endividamento de 77 bilhões de dólares.

Com o Brent a 70 dólares de valor médio ao longo do ano, essa relação seria "de duas vezes" o Ebitda ajustado, mas se o barril caísse abaixo dos 62,4 dólares, a relação seria de "mais de 2,5 vezes", o que obrigaria a "buscar recursos adicionais para o cumprimento de nossa meta", advertiu.

O Ebitda ajustado é o resultado antes do pagamento dos juros, dos impostos, da depreciação e das amortizações, com a exclusão das vendas de ativos e de gastos não recorrentes de uma companhia.

Parente ressaltou, contudo, que a relação ideal dívida/Ebitda seria de 1,5. "Só não sei se estarei aqui quando isso acontecer", acrescentou, em referência ao final de seu mandato, previsto para 2019.

- Privatização "perturbadora" -

Parente avisou ainda que qualquer discussão sobre uma privatização da companhia depois das eleições teria um efeito "perturbador" para os planos de recuperação.

Para Parente, essa discussão sobre a privatização da empresa não faz sentido nesse momento em que a companhia se compromete com um plano estratégico. "Além disso, minha visão pessoal é de que a sociedade brasileira não deseja essa privatização".

Parente respondeu assim a uma pergunta sobre declarações do governador de São Paulo e possível candidato do PSDB à presidência, Geraldo Alckmin, que afirmou que muitos setores da Petrobras poderiam ser privatizados e que com um marco regulatório adequado a totalidade da empresa poderia sair do controle do Estado.

A Petrobras esteve no centro do escândalo da "Lava-Jato" e, para equilibrar suas contas, anunciou no ano passado um corte de 25% de seus investimentos, lançando um programa de vendas de ativos que prevê 21 bilhões de dólares em receitas até o final de 2018.

Nos primeiros nove meses de 2017, a Petrobras teve ganhos líquidos de 5,031 bilhões de reais, frente a perdas de 17,34 bilhões de reais no mesmo período de 2016.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade