Publicidade

Estado de Minas

Morre 'Amar' Beanuda, figura histórica da luta pela independência da Argélia


postado em 05/02/2018 13:00

Benmostefa Benauda, 'Amar', um dos últimos sobreviventes do "Grupo dos 22" militantes da independência argelina que decidiram em 1954 iniciar a luta armada contra a França, morreu nesta segunda-feira, anunciou a imprensa pública argelina.

De acordo com a agência estatal APS, Amar Benauda, "figura emblemática da Guerra da libertação nacional", morreu aos 93 anos em um hospital em Bruxelas. O seu corpo deve chegar na parte da tarde desta segunda em Argel, de acordo com a APS.

Em junho de 1954, em Argel, um grupo de 22 ativistas da independência, ex-membros da Organização Especial desmantelada em 1950 pela autoridade colonial francesa, decidiu lançar a luta armada, que começou em 1 de novembro de 1954, para obter independência de Argélia.

O grupo escolheu cinco deles, aos quais se juntou um sexto, para liderar a luta armada. Os seis se tornaram os líderes históricos da Frente de Libertação Nacional (FLN).

Apenas dois membros do grupo dos 22, Abdelkader Lamudi, nascido em 1925, e Othman Beluizdad, nascido em 1929, permanecem vivos.

Durante a guerra de independência, Benauda entrou em 1957 no Conselho Nacional da Revolução Argelina (CNRA), o 'parlamento' da FLN, e foi, entre outros, membro desde 1958 do comando operacional do Exército de Libertação Nacional (ELN) no leste do país.

Benauda participou na fase final das negociações de Evian (França), que levaram à independência da Argélia em 1962. Foi então adido militar no Cairo, Paris e Tunísia, bem como embaixador da Argélia na Líbia em 1979.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade