Publicidade

Estado de Minas

Tillerson: sanções a petróleo venezuelano estão sobre a mesa


postado em 04/02/2018 21:42

Os Estados Unidos avaliam a possibilidade de aplicar sanções ao petróleo da Venezuela - afirmou o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, em Buenos Aires, neste domingo (4), acrescentando que ainda se estuda o impacto dessas medidas sobre a população.

"A situação na Venezuela piora. Um dos aspectos a se levar em conta, no caso de adotar sanções ao petróleo, são os efeitos que isso teria sobre a população e se isso seria um passo a ajudar a chegar ao fim, a acelerar o fim", declarou Tillerson, em entrevista coletiva ao lado do ministro argentino das Relações Exteriores, Jorge Faurie.

"Porque... Não fazer nada também é pedir ao povo da Venezuela que continue sofrendo por muito mais tempo", acrescentou.

"Obviamente, sanções ao petróleo - a proibição de exportar petróleo para os Estados Unidos, ou que os Estados Unidos deixem de vender cru, ou produtos refinados para a Venezuela - é algo que continuamos considerando", exemplificou Tillerson.

O secretário de Estado reconheceu que, no caso de sanções, Washington também teria de avaliar "como amenizar o impacto para os interesses dos Estados Unidos e de outros países da região", os quais compram petróleo do vizinho caribenho.

Em turnê latino-americana, o secretário de Estado já abordou o tema da Venezuela no México e deve voltar a fazê-lo em suas próximas escalas de Lima, Bogotá e Kingston.

"Que (a Venezuela) retorne para a Constituição e que haja eleições livres, justas e verificáveis é nosso único objetivo", pontuou.

Até agora, os Estados Unidos aplicaram sanções individuais aos funcionários de mais alto escalão do governo Nicolás Maduro, além de proibirem a transação de títulos soberanos e da petroleira estatal PDVSA.

Ao serem questionados sobre se pedirão que a Venezuela seja excluída da Cúpula das Américas que acontece em abril, Tillerson e Faurie concordaram em que a decisão cabe ao país anfitrião, o Peru.

Depois da reunião com Faurie no Palácio San Martín, sede da Chancelaria, Tillerson almoçou na companhia dos ministros argentinos da Fazenda, Defesa, Segurança, Produção, Energia e Agroindústria, relatou Faurie.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade