Publicidade

Estado de Minas

Congresso pressiona Trump pela permanência de investigadores do caso russo


postado em 04/02/2018 18:18

Congressistas democratas pediram ao presidente Donald Trump, neste domingo (4), que não demita os principais responsáveis pela investigação sobre os vínculos entre a Rússia e sua equipe de campanha presidencial, caso contrário poderá gerar uma "confrontação" no país.

"Se o presidente tomar esta decisão extrema, temo que possa levar a uma confrontação de que não precisamos nos Estados Unidos", advertiu o senador democrata Dick Durbin.

Após ter seu status de "confidencial" retirado pelo presidente, o Congresso publicou, na sexta-feira (4), um polêmico memorando de Inteligência que critica o FBI. O texto acusa a Polícia Federal americana de abuso de poder por espionar Carter Page, um ex-assistente de campanha de Trump em 2016.

No sábado, o presidente voltou a insistir em sua inocência na investigação sobre a ingerência da Rússia na corrida pela Casa Branca em 2016 - que o levou ao poder - e, mais uma vez, disse se tratar de uma "caça às bruxas".

Alguns setores temem que Trump demita o procurador especial Robert Mueller, responsável pela investigação do "Russiagate", ou seu superior hierárquico, o número dois do Departamento de Justiça, Rod Rosenstein.

Enquanto os democratas preveem uma crise institucional, os republicanos mostram seu apoio ao presidente.

"A pergunta é se a maioria republicana na Câmara de Representantes e no Senado defenderá a lei e a Constituição, se o presidente tomar essa posição extrema", afirmou Durbin, em entrevista à rede CNN.

"O objetivo é minar o FBI, desacreditar o FBI, desacreditar a investigação de Mueller, fazer a vontade do presidente", disse o representante democrata Adam Schiff à emissora ABC.

Redigido pelo titular da Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes, o republicano Devin Nunes, o memorando acusa os investigadores do FBI de abuso de poder para obter o mandado de um juiz federal para espionar o agora ex-assistente Carter Page. Teria-se omitido que a investigação sobre Paige teria recebido financiamento democrata.

Schiff rebateu essa tese, alegando que "a corte foi notificada de que havia um ator político envolvido".

Hoje, o congressista republicano Trey Gowdy descartou que a demissão de Rod Rosenstein possa ocorrer.

"Tive diferenças com Rod Rosenstein, mas ainda acho que é completamente capaz de ajudar a dirigir um Departamento de Justiça no qual todos tenhamos confiança", garantiu Gowdy à CBS.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade