Publicidade

Estado de Minas

YouTube informará sobre conteúdos de meios financiados por Estados


postado em 02/02/2018 20:42

O YouTube informará os internautas sobre os vídeos difundidos em sua plataforma feitos por meios de comunicação financiados por um Estado, em mais uma tentativa de responder às críticas sobre a gestão de seu conteúdo.

As redes sociais estão sendo acusadas há meses de permitir a circulação de conteúdo duvidoso, principalmente as chamadas "fake news".

Desde então, Facebook, Twitter e Google - proprietária do YouTube - tentam melhorar a qualidade de seus conteúdos.

Além disso, foram assinaladas de serem o suporte de alguns meios de comunicação que o governo americano considera afins à Rússia, como a emissora de televisão RT.

Um setor da política americana acredita que Moscou interferiu na campanha das presidenciais de 2016 usando meios para difundir informações falsas, algo que o Kremlin nega.

"Uma de nossas grandes prioridades em 2018 é oferecer mais transparência" a todos os usuários - espectadores e anunciantes - do YouTube, explicou a companhia em seu blog.

Desta forma, "hoje (sexta-feira) começamos a colocar menções debaixo dos vídeos procedentes de meios de informação que recebem financiamento público de um governo", especificou. "Por enquanto" esta função está disponível apenas nos Estados Unidos.

Alguns meios divulgam seus vídeos através de um canal no YouTube.

A menção aparece entre o vídeo e o título e inclui um link para o Wikipédia "para que o público entenda melhor as fontes das notícias que escolhem ver no YouTube".

Como exemplo deu a RFA (Radio Free Asia), "financiada total ou parcialmente pelo governo americano". A nova política também poderia afetar a britânica BBC e a francesa AFP.

Entre as medidas que a empresa tomou nos últimos meses para controlar seus conteúdos está a eliminação de 150 mil vídeos de crianças que continham comentários pedófilos, assim como a adoção de regras mais estritas sobre a localização da propaganda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade