Publicidade

Estado de Minas

Patente de braçalete para funcionários da Amazon gera desconfiança


postado em 02/02/2018 19:48

A Amazon patenteou um sistema eletrônico que permite, graças a um bracelete, detectar os movimentos das mãos de seus funcionários nos armazéns para supervisionar seu trabalho, uma ideia que imediatamente provocou indignação na Itália.

Esse sistema de "rastreamento" dos movimentos das mãos de um funcionário "poderia ser usado para supervisionar a realização das tarefas designadas", como inventário e preparação das encomendas, explicam os documentos oficiais ligados a essa patente, disponíveis na internet e revelados pelo site especializado Geekwire.

O dispositivo foi "pensado para ser usado (...) perto da mão e para emitir vibrações" para guiar o empregado.

"As especulações sobre essa patente estão incorretas", disse à AFP um porta-voz da Amazon. "Todos os dias, em qualquer empresa do mundo, os funcionários usam escâneres manuais para fazer o inventário e preparar os pedidos", acrescentou.

"Colocar este dispositivo no pulso dos funcionários lhes permitiria que as mãos ficassem livres e não precisassem ficar com os olhos cravados na tela", argumenta a Amazon, que diz que se a ideia um dia fosse implementada, melhoraria a organização para os trabalhadores encarregados da preparação das encomendas.

A ideia já provocou fortes reações na Itália, como a do chefe de governo, Paolo Gentiloni, que disse que "o desafio é o trabalho de qualidade, e não trabalhar com um bracelete".

"Homem ou escravo? Quero devolver a dignidade ao trabalho. Algumas multinacionais exploram, pressionam, e logo descartam. Basta!", reagiu o líder do partido Liga Norte, Matteo Salvini.

A gigante do comércio digital carrega a reputação de oferecer condições de trabalho duras em seus armazéns e centros de distribuição para aumentar a produtividade de seus funcionários e garantir as entregas rápidas aos clientes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade