Publicidade

Estado de Minas

Oposição denuncia prisão de histórico dirigente na Venezuela


postado em 02/02/2018 19:48

O dirigente Enrique Aristeguieta, líder histórico da luta contra a ditadura venezuelana de Marcos Pérez Jiménez (1952-1958), foi detido pelo serviço de Inteligência nesta sexta-feira (2), na Venezuela, como denunciaram opositores e a ONG Foro Penal.

Aristeguieta, de 84 anos, foi retirado de sua casa durante a madrugada e levado para destino desconhecido, disse à AFP a dirigente María Corina Machado.

"Aparentemente, foram decentes no sentido de que não o atropelaram, mas, sim, está detido e não sabemos aonde está", disse Machado.

Mais cedo, o próprio Aristeguieta escreveu em sua conta no Twitter que o Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) estava buscando-o em casa.

O secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, exigiu a libertação do político, assinalando que sua captura "é mais uma amostra das arbitrariedades da ditadura" do presidente Nicolás Maduro para "calar vozes dissidentes", tuitou.

Alfredo Romero, diretor da ONG de direitos humanos Foro Penal, denunciou que, com Aristeguieta, são 14 os detidos por razões políticas durante esta semana.

Sete das capturas aconteceram por conta de protestos; as outras foram realizadas por "agentes vestidos de preto que os levaram de suas casas ou de lugares de trabalho" sem apresentar ordem de prisão, indicou Romero no Twitter.

A Foro Penal garante que há na Venezuela cerca de 230 presos políticos, mas o governo nega, assegurando que se tratam de pessoas que violaram a lei.

A aliança opositora Soy Venezuela, da qual fazem parte Machado e Aristeguieta, entre outros, exigiu a libertação imediata do dirigente. Aristeguieta também é membro da Junta Patriótica, movimento político que levou à queda de Pérez Jiménez em 23 de janeiro de 1958.

Soy Venezuela e líderes como Antonio Ledezma, que nesta sexta se reuniu com Almagro em Washington, denunciaram o caso como um "sequestro".

Aristeguieta, que também foi deputado, governador e embaixador, é um dos representantes da linha mais radical da oposição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade