Publicidade

Estado de Minas

Trump afirma que paciência com Coreia do Norte acabou

Trump já havia advertido que os EUA poderiam ir além da diplomacia para frear o programa nuclear norte-coreano e considerar uma intervenção militar


postado em 06/11/2017 06:16 / atualizado em 06/11/2017 08:42

(foto: JIM WATSON / AFP)
(foto: JIM WATSON / AFP)

O presidente americano, Donald Trump, afirmou que o tempo da "paciência estratégica" com a Coreia do Norte acabou, durante uma entrevista coletiva nesta segunda-feira em Tóquio, onde recebeu apoio à decisão de manter todas as opções sobre a mesa ante as provocações de Pyongyang.


Trump já havia advertido em ocasiões anteriores que Washington poderia ir além da diplomacia para frear o programa de armas nucleares norte-coreano e considerar uma intervenção militar.


"O programa norte-coreano é uma ameaça para o mundo civilizado e para a paz e a estabilidade internacionais", declarou em Tóquio, a primeira escala de uma viagem pela Ásia dominada pela crise com Pyongyang.


"A era da paciência estratégica acabou", completou, ao lado de seu anfitrião, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe.


Abe, cujo país viu nos últimos meses o regime de Pyongyang lançar dois mísseis que sobrevoaram seu território, apoiou a política americana.


"Respaldamos a política de Trump de manter todas as opções sobre a mesa", afirmou, antes de destacar que o Japão derrubará os mísseis norte-coreanos, "se necessário".


"Em tais casos, Japão e Estados Unidos manterão uma cooperação estreita", disse.


O chefe de Governo japonês anunciou ainda que Tóquio pretende "congelar os bens de 35 organizações e personalidades norte-coreanas", em uma lista adicional de sanções ao programa nuclear e de mísseis de Pyongyang, mas também relativa aos sequestros de japoneses pelos serviços secretos norte-coreanos nas décadas de 1970 e 1980.


(foto: JIM WATSON / AFP)
(foto: JIM WATSON / AFP)

Tiroteio no Texas


Trump chegou ao Japão no domingo, em um momento de grande tensão com a Coreia do Norte, entre os temores de que o regime de Kim Jong-Un estaria planejando outro teste nuclear ou de mísseis.


A viagem, a primeira de Trump ao continente asiático e a mais longa de um presidente americano em 25 anos, acontece após meses de tensão entre Washington e Pyongyang.


O presidente americano iniciou a viagem com a advertência de que "nenhum ditador deve subestimar" os Estados Unidos.


Mas em uma entrevista a um canal de televisão, que já estava gravada e foi exibida no domingo, deixou a porta aberta para um encontro com Kim Jong-Un, mas não imediatamente.


"Estaria disposto a fazer isto, mas veremos para onde isto vai. Eu penso que é muito cedo", disse, a respeito de uma eventual reunião com Kim, ao programa "Full Measure".


A aguardada visita foi ofuscada pelo tiroteio em uma igreja do Texas, que deixou pelo menos 26 mortos, uma tragédia que Trump chamou de "espantosa".


No entanto, ele considerou que esta é uma questão de "saúde mental" e que o acesso às armas nos Estados Unidos não é o problema.


"Temos um monte de problemas de saúde mental em nosso país, mas não é uma situação imputável às armas", afirmou durante a entrevista coletiva com Abe.


Encontro com o imperador 


Depois do Japão, Trump viajará para a Coreia do Sul, China e para a reunião de cúpula da APEC (Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) no Vietnã.


A viagem terminará com o fórum da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) na Filipinas.


Nesta segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos se reuniu com o imperador do Japão, Akihito, um encontro que gerou muita expectativa pelo complexo protocolo da Casa Imperial e pelas críticas a seu antecessor, Barack Obama, que saudou o monarca com uma marcada reverência.


Trump driblou os obstáculos inclinando apenas a cabeça diante do imperador, em um encontro no qual estava acompanhado pela primeira-dama Melania.


O presidente americano também tem um encontro programado com os parentes dos civis sequestrados pela Coreia do Norte para treinar seus agentes de espionagem e ensinar a língua e a cultura japonesa.


A Coreia do Norte admitiu o sequestro de 13 civis japoneses, mas Tóquio acredita que o número de casos é maior, incluindo o de uma adolescente de 13 anos raptada quando voltava da escola.


"Teremos uma atenção especial à questão dos direitos humanos na Coreia do Norte, um tema que muitas vezes é ignorado", disse uma fonte da Casa Branca.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade