Publicidade

Estado de Minas

Madri reforça controle sobre gastos da Catalunha


postado em 15/09/2017 09:22

O governo espanhol decidiu nesta sexta-feira reforçar o controle sobre os gastos da Catalunha depois que o Executivo da região se negou a prestar contas para garantir que não está gastando dinheiro na organização do referendo separatista.

"O governo estabeleceu um mecanismo de controle de pagamentos", declarou o titular da Fazenda, Cristóbal Montoro, depois do conselho de ministros.

Segundo ele, o objetivo desta vigilância reforçada é garantir "que nenhum pagamento da administração catalã seja feito para uma atividade ilegal", ou seja, o referendo de 1o. de outubro.

Na véspera, os separatistas catalães, liderados pelo presidente regional Carles Puigdemont, lançaram a campanha pelo "sim" no referendo de autodeterminação, ignorando abertamente o governo e a justiça espanhóis, dispostos a impedi-lo a qualquer custo.

Os separatistas, maioria no Parlamento regional desde 2015, têm duas semanas para mobilizar os simpatizantes e convencer os receosos em participar no referendo.

Em caso de vitória, eles prometem declarar a Catalunha uma república independente. A região concentra 16% da população espanhola e contribui com 20% do PIB do país.

As instituições espanholas estão aumentando a pressão dia após dia.

A procuradoria-geral do Estado ordenou na quarta-feira citar os mais de 700 prefeitos catalães que querem cooperar no referendo e detê-los caso eles não se apresentem. Na quinta-feira, fez o mesmo com os cinco membros da junta eleitoral que deve supervisionar a votação.

As autoridades proibiram toda propaganda sobre "o referendo ilegal" e tiraram do ar o site oficial do referendo, restabelecido pouco depois pelo governo catalão em outro endereço.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade