Publicidade

Estado de Minas

Fome voltou a avançar no mundo em 2016, segundo a ONU


postado em 15/09/2017 08:01

Depois de mais de dez anos de retrocesso constante, a fome avançou novamente no mundo em 2016, afetando 815 milhões de pessoas, 11% da população mundial, revelou nesta sexta-feira um relatório da ONU.

O aumento no ano passado de 38 milhões de pessoas que sofrem fome é devido em "grande parte à proliferação" de conflitos e os fenômenos climáticos, indica o relatório sobre segurança alimentar mundial.

No total, 155 milhões de crianças menores de 5 anos sofrem um déficit de crescimento por causa da fome e 52 milhões de crianças sofrem uma insuficiência de peso em relação a sua altura.

Os índices mais elevados de crianças que passam fome ou estão desnutridas são registrados nas zonas de conflito.

O estudo destaca ao mesmo tempo que 41 milhões de crianças com menos de cinco anos sofrem sobrepeso, o que aumenta o risco de sofrer obesidade e doenças durante a idade adulta.

"A anemia entre as mulheres e a obesidade entre os adultos também são preocupantes", afirma o relatório publicado por várias agências da ONU: a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), o FIDA (Fundo Internacional da ONU para o Desenvolvimento Agrícola), o PAM (Programa Mundial de Alimentos), além do Unicef e da OMS (Organização Mundial da Saúde).

"Estas tendências não são apenas consequência dos conflitos e da mudança climática, mas também de mudanças profundas nos hábitos alimentares e da pobreza ligada às desacelerações econômicas".

De acordo com as agências da ONU, 520 milhões de pessoas sofrem fome na Ásia (11,7% da população do continente), 243 milhões na África (20%) e 42 milhões (6,6%) na América Latina e Caribe.

Das 815 milhões de pessoas afetadas em 2016 no mundo, 489 milhões vivem em países afetados pelos conflitos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade