Publicidade

Estado de Minas

Lula denuncia 'caça às bruxas' em novo depoimento a Moro


postado em 13/09/2017 19:46

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva denunciou nesta quarta-feira uma "caça às bruxas", ao prestar mais um depoimento em Curitiba ao juiz Sérgio Moro, na ação que responde por "corrupção passiva" envolvendo o grupo Odebrecht.

Durante pouco mais de duas horas de interrogatório, Lula - que recorre em liberdade de uma primeira condenação - afirmou que o processo é "ilegítimo" e "injusto".

"Apesar de entender que este processo é ilegítimo e injusto, eu prefiro falar. Talvez eu seja a pessoa que mais queira a verdade nesse processo. Só quero dizer que há uma caça de bruxas".

Moro deverá determinar se a Odebrecht - peça-chave da operação Lava Jato - pagou um terreno para a instalação do Instituto Lula em São Paulo e colocou à disposição da família do ex-presidente um apartamento em São Bernardo do Campo.

Antes de chegar ao tribunal, Lula, 71 anos, saiu do veículo que o conduzia para saudar cerca de 300 partidários e dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) que o aclamavam.

Um contingente de mil policiais foi mobilizado para controlar eventuais incidentes em Curitiba, agora conhecida como a "capital da Operação Lava Jato", mas o número de militantes presentes na cidade nesta quarta-feira foi claramente inferior ao primeiro depoimento de Lula, em 10 de maio, quando o PT e movimentos sociais reuniram cerca de 7 mil pessoas.

- Lula debilitado por depoimento de Palocci -

Lula chegou a Curitiba debilitado pelas declarações de seu ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci, que admitiu na semana passada que as acusações contra o ex-presidente têm fundamento.

"Muita gente achou que eu ia chegar aqui com muita raiva do Palocci. Eu acho que o Palocci está preso há mais de um ano. O Palocci tem o direito de querer ser livre (...). O que não pode é se você não quer assumir a tua responsabilidade pelos fatos ilícitos que você fez, jogar em cima dos outros".

Lula atacou o Ministério Público afirmando que seu "objetivo e tentar encontrar alguém para me incriminar, todas estas ações são feitas contra mim".

O ex-presidente já foi condenado por Moro em julho passado a 9 anos e meio de prisão por ser beneficiário de um tríplex no Guarujá ofertado por outra construtora, a OAS, em troca de sua influência para obter contratos na Petrobras.

Lula enfrenta atualmente cinco acusações, que vão de corrupção passiva e lavagem de dinheiro até organização criminosa e tentativa de obstrução da justiça.

- Dilemas do PT -

O PT não consegue se reerguer. Com muitos de seus líderes históricos acusados ou presos, a ex-maior força da esquerda da América Latina tenta ainda curar as feridas do impeachment de Dilma em 2016.

Nas eleições municipais de outubro passado, o que chegou a ser o maior partido de esquerda do ocidente sofreu uma derrota histórica.

O partido também já não consegue mobilizar a população contra os programas de ajuste e privatizações do governo do presidente Michel Temer.

Para 2018, apostou todas as suas fichas em Lula, o político com mais intenções de voto e com um prestígio ainda forte nas regiões que se beneficiaram de seus programas sociais. Mas ele também é o candidato com maior rejeição entre os possíveis postulantes ao cargo.

Seu enfraquecimento deve obrigar o PT a elaborar um "plano B", mesmo que ninguém fale disso abertamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade