Publicidade

Estado de Minas

Governo Maduro e oposição venezuelana vão tentar dialogar em Santo Domingo


postado em 13/09/2017 16:07

Delegados do governo e da oposição da Venezuela se encontravam nesta quarta-feira na República Dominicana em contatos exploratórios para um diálogo que ajude a resolver a grave crise política.

Convidados pelo presidente dominicano, Danilo Medina, e pelo ex-chefe do governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero os representantes do governo chegaram a um hotel luxuoso de Santo Domingo e asseguraram que as partes estão perto de chegar a um acordo para iniciar conversas.

"Posso dizer que muitos dos pontos que estão na agenda (...), e que com certeza serão colocados na mesa hoje, estão perto de ser alcançados", disse a jornalistas Jorge Rodríguez.

O dirigente estava acompanhado de sua irmã, Delcy Rodríguez, presidente da Assembleia Constituinte que rege na Venezuela com poderes absolutos, e o experiente diplomata Roy Chaderton.

No mesmo local estavam Rodríguez Zapatero e o chanceler dominicano, Miguel Vargas.

O enviado do presidente Nicolás Maduro não detalhou se haverá um encontro pessoal com os delegados da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Entre eles destacam-se Julio Borges - presidente do Parlamento, de maioria opositora -, os deputados Eudoro González e Luis Florido, o dirigente Timoteo Zambrano e o especialista em resolução de conflitos Gustavo Velásquez, disse à AFP uma fonte da MUD.

A aliança opositora anunciou nesta terça-feira que seus representantes se reunirão com Medina.

- Diálogo com condições -

Após protestos contra o presidente Maduro, que deixaram 125 mortos entre abril e julho, as partes aceitaram o convite de Medina e Rodríguez Zapatero a explorar um diálogo.

Mas Borges advertiu nesta quarta que um diálogo formal apenas será possível se Maduro cumprir as exigências apresentadas pelas MUD e se houver acompanhamento internacional.

"Reitero à Venezuela e ao mundo que hoje não há diálogo e não haverá até que sejam cumpridas as condições expressas em comunicado" da MUD, tuitou o deputado.

Entre essas solicitações enumerou um "cronograma eleitoral" que inclua as presidenciais no final de 2018, a libertação de 590 "presos políticos", o "respeito" ao Legislativo e a retirada de sanções que impedem opositores de se candidatar a cargos de escolha popular.

Maduro disse esperar que a MUD "cumpra com a sua palavra ante a comunidade internacional de avançar na busca de soluções pacíficas".

O presidente enfrenta uma forte pressão internacional por denúncias de violações dos direitos humanos na contenção das manifestações, e por conta da Constituinte chavista que assumiu as funções do Legislativo.

As partes manejaram com discrição os detalhes de sua participação nas conversas.

- "O Vaticano deve estar" -

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou na terça-feira o seu "pleno apoio" à iniciativa, destacando que a Venezuela requer uma "solução política baseada no diálogo".

O papa Francisco disse na segunda-feira que a ONU devia "se fazer ser ouvida para ajudar" a resolver a crise venezuelana, destacando a sua preocupação pelo "problema humanitário" derivado da escassez de alimentos e remédios.

"Falei com pessoas, também de forma privada, e muitas vezes durante o Angelus (oração), buscando uma saída, oferecendo ajuda para sair. Parece que a questão é muito difícil", afirmou o papa depois de sua visita à Colômbia.

O Vaticano impulsionou um diálogo no final de 2016, que fracassou em meio a acusações mútuas de incumprimento dos acordos.

O líder opositor Henrique Capriles, que acusa Rodríguez Zapatero de ser parcial com o governo, afirmou na noite de terça-feira que para que exista diálogo a ONU e o Vaticano devem participar.

- "Explorar condições" -

A MUD enfatizou que a reunião com Medina será para "explorar" condições de negociação, e reiterou que isso passa por atender com urgência a crise socioeconômica, agravada por uma inflação que, segundo o FMI, superará os 720% este ano.

O convite de Medina e Rodríguez Zapatero a "transitar um processo de negociação e acordo político" foi saudado pelos governos de França e Espanha, críticos de Maduro.

Madri desconhece a Constituinte, enquanto o presidente francês, Emmanuel Macron, chamou o seu contraparte venezuelano de "ditador", assim como os Estados Unidos, que impuseram sanções financeiras a Caracas.

"Não é suficiente que o governo venezuelano expresse o seu desejo de manter um diálogo com a oposição", afirmou o ministro espanhol das Relações Exteriores, Alfonso Dastis, após se reunir nesta quarta em Madri com seu homólogo venezuelano, Jorge Arreaza.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade