Publicidade

Estado de Minas

Netanyahu inicia primeira viagem de premiê israelense à América Latina


postado em 11/09/2017 16:10

Banjamin Netanyahu inicia nesta segunda-feira (11) na Argentina a primeira visita à América Latina de um primeiro-ministro em exercício desde a fundação do Estado de Israel, com o objetivo de promover relações comerciais e diplomáticas.

Netanyahu se reunirá em um encontro privado nesta segunda com a comunidade judaica argentina, de cerca de 300 mil membros, a segunda maior das Américas atrás da dos Estados Unidos.

Sob rigorosas medidas de segurança, Netanyahu chegou ao meio-dia no aeroporto internacional de Ezeiza, 30 km ao sul de Buenos Aires, juntamente com sua esposa, Sara, e uma delegação de 30 empresários.

Na terça-feira, ele será recebido pelo presidente Maurício Macri na sede do governo, a Casa Rosada, a única atividade de sua agenda aberta à imprensa.

Netanyahu receberá arquivos digitais com dezenas de milhares de documentos da Segunda Guerra Mundial, informou a Agência de Notícias Judaica.

Trata-se da transferência eletrônica para Israel de 139.544 documentos e fotografias históricas como parte de uma iniciativa conjunta da Chancelaria argentina e do Museu do Holocausto dos Estados Unidos.

A visita marca o início de um giro que se estenderá até 15 de setembro e que inclui escalas em Colômbia e México, antes de Nova York, onde Netanyahu participará da Assembleia Geral da ONU.

- Pelas vítimas -

Nesta segunda-feira à tarde, o primeiro-ministro participará de uma homenagem às vítimas do atentado à embaixada de Israel em Buenos Aires cometido em 17 de março de 1992, e que deixou 29 mortos.

Também prestará homenagem às 85 vítimas fatais e centenas de feridos no ataque em 1994 contra a associação judaica AMIA. Os dois crimes continuam impunes.

Israel acusa o movimento xiita libanês Hezbollah de ter sido o responsável pelo atentado contra a embaixada.

Os investigadores argentinos acusaram cinco ex-políticos iranianos de estarem por trás do do atentado na Amia. O Irã nega envolvimento.

Em Buenos Aires também realizará um encontro bilateral com o presidente do Paraguai, Horacio Cartes, que viajará na terça-feira especialmente para se encontrar com o chefe de Estado.

Netanyahu e Cartes vão discutir os avanços nas negociações entre o Mercosul e a União Europeia.

- Apoio e repúdio -

A influente organização DAIA, representação política da comunidade judaica argentina, deu as boas-vindas a Netanyahu.

"Celebramos a aproximação entre a Argentina e Israel e expressamos nosso desejo de ver um fortalecimento do vínculo que une estas duas nações aliadas", destacou a organização em um comunicado.

No lado oposto, o prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel repudiou a visita israelense.

"Ele é acusado de cometer crimes contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional por matar civis bombardeando escolas, hospitais e mesquitas palestinas. Além disso, protege um repressor da última ditadura argentina", declarou Pérez Esquivel.

O Nobel argentino citou a recusa de Israel de extraditar o militar argentino Teodoro Anibal Gauto, alvo de um mandado de captura internacional da Interpol e acusado de cometer crimes contra a humanidade na última ditadura militar do país (1976-83).

A visita de Netanyahu vai alterar o ritmo na capital argentina, com ruas bloqueadas para o trânsito e um forte esquema de segurança no centro da cidade.

Organizações humanitárias e partidos de esquerda anunciaram para terça-feira uma passeata em repúdio à presença do primeiro-ministro israelense.

"Vamos marchar em repúdio à presença deste genocida e em solidariedade ao povo palestino", anunciou na semana passada Tilda Rabi, presidente da Federação das Entidades argentino-palestinas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade