Publicidade

Estado de Minas

Tesoureiro do Vaticano descarta renunciar após acusações de acobertar pedofilia

Cardeal australiano George Pell manterá cargo em meio a escândalos envolvendo padres de sua ex-diocese


postado em 05/03/2016 08:22 / atualizado em 05/03/2016 09:33

''Não, não vou renunciar. Isso seria encarado como uma admissão de culpa'' - George Pell(foto: Andreas Solaro / AFP PHOTO)
''Não, não vou renunciar. Isso seria encarado como uma admissão de culpa'' - George Pell (foto: Andreas Solaro / AFP PHOTO)

O influente cardeal australiano George Pell, encarregado das finanças do Vaticano, descartou renunciar ao seu cargo, apesar do escândalo que atinge vários padres pedófilos em sua ex-diocese, em uma entrevista à Sky News.

O ex-chefe da Igreja católica na Austrália, que se converteu em 2014 em chefe da Secretaria de Economia da Santa Sé, negou ter acobertado casos de pedofilia cometidos nos anos 70 e 80 por sacerdotes e religiosos da diocese de Melbourne, quando era arcebispo desta cidade.

Pell, de 74 anos, depôs nesta semana ante uma comissão australiana que investiga estes casos e garantiu que não estava ciente dos abusos cometidos. "Não, não vou renunciar. Isso seria encarado como uma admissão de culpa", disse Pell em uma entrevista à Sky News, gravada em Roma e transmitida na sexta-feira na Austrália. "Se o Santo Padre me pedir, diria isso, mas farei tudo o que me pedir", acrescentou.

Pell considera que foi uma coincidência desastrosa o fato de cinco sacerdotes terem abusado de menores quando atuava nesta cidade.


Publicidade