Publicidade

Estado de Minas

Australiano é primeiro condenado por pedofilia graças a menina virtual


postado em 22/10/2014 11:10

Um pedófilo australiano preso graças a uma menina virtual criada por uma ONG para localizar criminosos sexuais que atuam na internet se tornou o primeiro condenado graças a esta iniciativa, informou a organização nesta quarta-feira.

O grupo holandês de defesa dos direitos humanos "Terre des Hommes" revelou em novembro passado o uso desta menor de idade criada por computador, de origem filipina e chamada "Sweetie", para pegar pedófilos em chats.

O primeiro sentenciado graças a esta iniciativa, Scott Robert Hansen, de 38 anos, foi condenado a dois anos de prisão, informou à AFP um porta-voz do tribunal, apesar de o tempo de prisão ter sido anulado em função dos 260 dias que o detido ficou sob custódia policial.

Além disso, foi condenado por violar as condições de sua liberdade provisória e por possuir material pedófilo.

Em um período de dez semanas, mais de 20.000 pessoas de 71 países entraram em contato com a menina virtual de 10 anos pedindo sexo através de uma câmera web, e mais de mil foram identificados em países como Austrália, Polônia e Estados Unidos.

A polícia federal australiana revistou o apartamento do suspeito depois de um encontro por webcam com "Sweetie", no qual se despediu e se masturbou, segundo o site News.com.au

O condenado se encontra entre os 46 australianos descobertos graças a esta operação, explicou à AFP um porta-voz da ONG com sede em Jacarta, Leny Kling, que anunciou mais condenações em breve.

Ponta do iceberg

A Terre des Hommes explicou que sua equipe se limitou a esperar que os pedófilos entrassem em contato com a suposta menor, sem tomar a iniciativa.

"Colocar-se na pele de uma menina filipina de dez anos e ver o que certos homens querem de você, os pedidos e os gestos realmente obscenos que fazem foi uma experiência chocante para os investigadores", explicou a ONG.

Com esta iniciativa, a ONG pretende expor o turismo sexual virtual, uma forma de exploração infantil que afeta milhares de crianças nas Filipinas, Camboja e Tailândia.

A porta-voz da organização mostrou-se revoltada com o número reduzido de prisões nos últimos anos por causa desse tipo de delito sexual, pouco mais que meia dúzia, segundo a ONG.

A Terre des Hommes afirma que, se sozinha, conseguiu identificar mais de mil suspeitos de pedofilia em tão pouco tempo, então as autoridades deveriam ter a disposição de identificar muitos mais.

"O que queremos é provar que isso é apenas a ponta do iceberg", observou Kling.

Durante a apresentação do projeto no ano passado, a ONG estima, citando cifras das Nações Unidas, que apenas em um mês cerca de 750.000 pedófilos poderiam estar simultaneamente conectados em busca de presas infantis na internet.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade