(none) || (none)
UAI
Publicidade

Estado de Minas

Desertores dizem que os mais fracos morriam durante a fome na Coreia do Norte


postado em 22/08/2013 10:31

A fome de meados dos anos 90 na Coreia do Norte desencadeou uma luta pela sobrevivência na qual morreram os mais fracos: deficientes, idosos e crianças, contaram nesta quinta-feira à ONU desertores norte-coreanos.

A Coreia do Norte é um dos países mais isolados do mundo e um dos últimos regimes comunistas do planeta.

"As pessoas não são tratadas com dignidade na Coreia do Norte, às vezes (são consideradas) sub-humanas", declarou Ji Seong-Ho, que perdeu uma mão e uma perna aos 14 anos, quando tentou roubar carvão.

As pessoas com deficiência mental ou física são consideradas "inúteis" para a sociedade, acrescenta Ji, de 31 anos, ante a comissão de investigação das Nações Unidas, que examina pela primeira vez oficialmente o estado dos direitos humanos sob o regime dos Kim.

A Coreia do Norte, que nega qualquer abuso, não reconhece esta comissão e negou o acesso ao país de uma delegação.

Durante a fome de 1994-98, na qual até um milhão de pessoas morreram (de uma população total de 20 milhões), os norte-coreanos utilizavam toda a sua energia para encontrar alimentos. E os mais fracos - as crianças, os idosos e os deficientes - eram os mais vulneráveis.

"Havia deficientes em nossa cidade. Quando a situação alimentar melhorou, no fim dos anos 1990, não voltamos a vê-los. Sem dúvida morreram", acrescenta este homem, que conseguiu escapar de seu país natal em 2006.

Kim Hyuk, de 32 anos, se converteu aos 7 anos - quando sua mãe morreu - em um "ggotjeb", o termo coreano para designar os meninos em situação de rua, que pedem esmola ou roubam para comer.

"Quando comecei aquela vida, as pessoas nos davam comida. Tudo mudou com a fome". As crianças morriam nas ruas. A polícia estava encarregada de recolher os sobreviventes e enviá-los a orfanatos, onde muitos morriam fora dos olhares dos outros.

"Não havia nada para comer além de folhas de milho em pó. Comia lagartos, cobras, ratos e grama", conta Kim, que viveu três anos em um orfanato. Das 75 crianças residentes, 24 morreram.

Preso pela polícia ao tentar cruzar a fronteira com a China, este homem passou 20 meses em um campo de reeducação. Em 2000 conseguiu fugir para a China, antes de chegar à Coreia do Sul.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade

(none) || (none)