UAI
Publicidade

Estado de Minas REFORMAS NA SAÚDE

Centro Materno Infantil de Contagem deve ter novo ar-condicionado este ano

Além do novo equipamento, outros itens essenciais para funcionamento do Hospital Municipal e reformas em unidades básicas marcam nova gestão da Saúde


22/11/2021 19:05 - atualizado 22/11/2021 19:11

Fachada do Centro Materno Infantil
Ar-condicionado do Centro Materno Infantil deve ser trocado ainda este ano, segundo nova empresa responsável pela gestão da saúde municipal (foto: Prefeitura de Contagem/Divulgação)
A troca do sistema de ar-condicionado do Centro Materno Infantil é um dos próximos passos que a prefeitura de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, deve dar a partir de agora. É porque a sombra do Instituto de Gestão e Humanização (IGH) deixou a cidade de vez. O instituto administrava as cinco Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), o Complexo Hospitalar, além do próprio Centro Materno, e sofreu intervenção por problemas administrativos e financeiros. Agora, o trabalho é realizado por uma empresa criada pela prefeitura.
 
O Serviço Social Autônomo (SSA) foi montado em outubro, mas oficialmente apresentado nesta segunda-feira (22/11). Um dos primeiros objetivos foi esclarecer que, apesar de ser uma empresa privada, o poder Executivo tem direito a 50% de representação no Conselho de Administração. As demais vagas são para um representante do Conselho Municipal de Saúde de Contagem, um dos trabalhadores da saúde e um da sociedade civil. 
 
O diretor-geral do SSA, Eduardo Penna (que foi o interventor nomeado em junho), disse que, após "colocar a casa em ordem", a prioridade agora é investir em reformas e compra de novos equipamentos. Entre eles, o ar-condicionado central do Centro Materno Infantil, alvo de reclamações por parte de usuários e funcionários, considerada "uma novela" pelo diretor-geral. "Nós já temos vários orçamentos cotados para o serviço", afirmou.
 
As condições em que os gestores do serviço encontraram o Hospital Municipal de Contagem também preocuparam Penna. "O hospital está muito judiado, precisa de um grande investimento em infraestrutura, não apenas predial, mas de equipamentos, assim como as Unidades de Pronto Atendimento, que também terão uma atenção", acrescentou. Ele argumenta que existem verbas disponíveis para essas compras e reformas.

Salários pagos, dívidas quitadas

A prefeitura aponta que o IGH deixou um total de R$ 30 milhões em dívidas com funcionários fornecedores. Pouco mais de R$ 15 milhões foram usados apenas para quitar salários atrasados e direitos trabalhistas. Os valores serão cobrados pela administração na Justiça, mas ainda não foi informado quando a ação será movida.
 
Com a criação da sociedade de economia mista (nome jurídico dado ao que o SSA é: privado, mas com metade da administração feita pelo poder público), não haverá mais necessidade de licitar a gestão das unidades de saúde a cada cinco anos, como acontecia anteriormente. Por isso, segundo os gestores, é possível planejar investimentos "a longo prazo". A empresa não tem fins lucrativos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade