Publicidade

Estado de Minas Meio ambiente

Folhas secas lotam ruas de BH

Fenômeno comum nesta época, quando as plantas perdem a folhagem, exige atenção na limpeza de bueiros e córregos para evitar problemas de enchentes


15/09/2021 04:00 - atualizado 15/09/2021 00:02

Na região do Bairro Lourdes, mais arborizada, calçadas ficam repletas de material orgânico desprendido dos galhos (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Na região do Bairro Lourdes, mais arborizada, calçadas ficam repletas de material orgânico desprendido dos galhos (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

Folhas secas espalhadas pelas ruas de Belo Horizonte fazem parte de uma cena comum nesta época do ano. Algumas plantas perdem a folhagem durante o inverno, mas apesar de ser um processo natural, o acúmulo dessas folhas pode chegar aos bueiros e causar enchentes, caso não seja retirado antes da temporada de chuvas. Na manhã de ontem, diversos pontos da cidade amanheceram cheios de folhas secas, como as ruas do Bairro Lourdes, na Região Centro-Sul de BH.

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), as equipes da Superintendência de Limpeza Urbana têm um aumento no serviço de recolhimento das folhas nesta época do ano, mas o trabalho consegue ser feito de maneira eficiente. As folhas são recolhidas e ensacadas, junto com os outros resíduos encontrados nas ruas, e levadas para o aterro sanitário de Macaúbas, em Sabará. A limpeza das ruas da cidade é feita de acordo com as características de cada regional, como a intensidade do trânsito, o tipo de arborização e o fluxo de pedestres.

Em geral, pode ser realizada uma vez a cada 15 dias; semanalmente, em dias alternados; ou diariamente, como nos locais com intenso fluxo de pedestres e atividade comercial, onde os serviços de varrição são feitos de segunda-feira a sábado. Além do recolhimento das folhas secas, a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) também faz a limpeza dos córregos e o monitoramento de áreas de riscos e sujeitas aos impactos das chuvas.

Segundo a PBH, todos os córregos são limpos, no mínimo, três vezes por ano. “A iniciativa impede o assoreamento dos córregos, diminuindo os riscos de enchentes durante o período chuvoso”, afirmou a prefeitura. De janeiro a agosto deste ano, já foram retiradas 7.624,09 toneladas de resíduos dos córregos. A limpeza também inclui os serviços de capina e roçada, retirada de entulho, lixo e mato. Além do lixo orgânico, entre os resíduos recolhidos no leito dos córregos estão restos de construção, pneus, latas, garrafas de plástico, móveis velhos, eletrodomésticos, brinquedos, garrafas, madeiras e 'outros objetos inusitados'.

Outro serviço realizado para evitar que o acúmulo de lixo cause problemas durante as chuvas, é a limpeza e desobstrução de bocas de lobo, feita diariamente pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap). Esse trabalho remove o lixo descartado irregularmente e os resíduos que escoam para a rede de microdrenagem.

“Neste ano, até o mês de abril, foram feitas 64.744 limpezas de bocas de lobo, remoção de aproximadamente 1.082 toneladas de resíduos, desobstruídos cerca de 20 quilôme- tros de rede, e 644 grelhas trocadas pelas gerências regionais de manutenção da Sudecap”, afirmou a PBH. Em toda a cidade, são aproximadamente 64 mil bocas de lobo espalhadas pelas nove regionais e os cidadãos também podem solicitar o serviço de limpeza pelo aplicativo PBH APP ou pelo site da prefeitura.

*Estagiária sob supervisão do subeditor Marcílio de Moraes



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade