Publicidade

Estado de Minas SERVIÇOS DE SAÚDE

Prefeitura de Contagem assume unidades de saúde de urgência e emergência

Unidades eram administradas pelo IGH e a intervenção ocorreu após atrasos de pagamentos de funcionários e fornecedores, além da falta de insumos e medicamentos


09/06/2021 09:30 - atualizado 09/06/2021 11:14

Prefeitura de Contagem assume a gestão das unidades de saúde de urgência e emergência do município (foto: Prefeitura de Contagem/Reprodução )
Prefeitura de Contagem assume a gestão das unidades de saúde de urgência e emergência do município (foto: Prefeitura de Contagem/Reprodução )

O Hospital Municipal, o Centro Materno Infantil e as cinco Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Contagem deixam de ser gerenciadas, a partir desta quarta-feira (9/6), pelo Instituto de Gestão e Humanização – IGH, organização social que faz a administração das unidades.  

 

 


A Prefeitura de Contagem decretou a intervenção na Organização Social (OS) após recorrentes atrasos nos pagamentos de médicos e fornecedores e a falta de insumos e de medicamentos, com reflexos na qualidade dos serviços prestados aos usuários. 

A decisão de intervir na gestão do IGH está embasada, também, em recomendações de auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU), realizada no ano passado.

O decreto que oficializa a intervenção será publicado no Diário Oficial de Contagem (DOC) desta quarta-feira (9/6).

O contrato de gestão com o IGH foi firmado pelo ex-prefeito Alex de Freitas (PSDB), com validade de três anos, e tem prazo de vencimento em novembro.
 
Segundo a Prefeitura de Contagem, para dar transparência ao processo de intervenção será realizada nesta quarta-feira (9/6), às 9h30, uma coletiva de imprensa, no auditório do Centro Materno Infantil, no Complexo Hospitalar de Contagem.

Qualidade na prestação dos serviços 

A prefeitura informa que tem repassado os valores contratuais para IGH rigorosamente em dia e, mesmo assim, a organização social tem enorme passivo de dívidas com fornecedores. 

Desde o início do ano, segundo o órgão, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde foram feitas várias solicitações ao IGH para que os problemas fossem solucionados e o contrato cumprido. 

No entanto, sem solução para o problema, o Executivo municipal decidiu que a intervenção era necessária para garantir qualidade na prestação dos serviços à população e a regularidade dos pagamentos dos funcionários e fornecedores.

Com a intervenção, a gestão das unidades será feita por equipe designada pela prefeitura por um período de até 6 meses. Simultaneamente, será providenciada a contratação de Organizações Sociais para a gestão dos serviços de urgência e emergência em saúde até o fim da vigência do contrato atual.
 
*Estagiária sob supervisão do editor Álvaro Duarte


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade