Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID: BH fecha abril com indicadores em alerta e recorde de casos e mortes

Taxas de transmissão do coronavírus e de ocupação dos leitos de enfermaria estão na faixa de alerta. Situação das vagas de UTI continua crítica


30/04/2021 18:32 - atualizado 30/04/2021 21:24

-->-->-->-->

BH viveu seu pior momento da pandemia em abril, na esteira do colapso do sistema de saúde no fim de março(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
BH viveu seu pior momento da pandemia em abril, na esteira do colapso do sistema de saúde no fim de março (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 

O pior mês da pandemia: em abril, Belo Horizonte bateu recordes de casos e mortes por COVID-19, conforme números do boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura. Ao mesmo tempo, o período termina sem que nem sequer um dos três principais indicadores estejam na zona controlada da escala de risco.

 

 

 

No quarto mês de 2021, a capital registrou 1.105 mortes pela doença. O número de casos registrados é de 34.494. Os recordes anteriores eram, respectivamente, 493 e 32.477 (março/2021).

 

Atual cenário dos indicadores da pandemia em BH(foto: Janey Costa/EM/D.A Press)
Atual cenário dos indicadores da pandemia em BH (foto: Janey Costa/EM/D.A Press)
 

 

Agora, a capital mineira soma 4.329 óbitos e 177.432 casos. Em relação ao boletim anterior, os dados aumentaram em 34 e 1.403, respectivamente.

 

Em relação aos indicadores, dois recuaram e outro se manteve estável nesta sexta (30/4). A taxa de ocupação dos leitos de UTI recuou de 78,9% para 78,1%, mas se mantém na zona crítica da escala de risco desde 25 de fevereiro.

 

 

 

A taxa de ocupação das camas de enfermaria também diminuiu. O indicador caiu de 60,3% para 58,3% e continua na fase de alerta, entre 50 e 70 pontos porcentuais.

 

Também na zona intermediária está o número médio de transmissão do novo coronavírus por infectado. A estatística ficou no mesmo limiar do boletim da véspera: 1,01.

 

 

 

Portanto, a cada 100 pessoas vítimas da pandemia em BH, em média, mais 101 se infectam pelo vírus. O dado tem apresentado altas nos últimos balanços, mesmo antes do impacto da flexibilização do comércio influenciar efetivamente os números, fato que só vai acontecer em 6 de maio.

 

Isso porque a reabertura aconteceu no último dia 22. Como a janela de infecção do vírus gira em torno dos 14 dias, só na próxima semana poderá ser feita essa avaliação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade