Publicidade

Estado de Minas

Saiba quem mantém restrições e quem flexibiliza na Grande BH

Com a suspensão da onda roxa, parte dos municípios já decidiu começar a abrir as portas, como Contagem e Santa Luzia. Betim vai esperar mais sinais de melhora


16/04/2021 04:00 - atualizado 16/04/2021 00:45

Rua do Comércio em Santa Luzia: adesão imediata à onda vermelha para reabrir portas(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press %u2013 9/3/21)
Rua do Comércio em Santa Luzia: adesão imediata à onda vermelha para reabrir portas (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press %u2013 9/3/21)

Com as novas definições feitas pelo governo de Minas a respeito do programa Minas Consciente, as cidades da Grande BH tomaram rumos diferentes com relação ao avanço para a onda vermelha. Contagem, Nova Lima e Santa Luzia confirmaram ontem que aderiram à determinação do estado e deixarão a onda roxa, fase mais restritiva do plano. Por outro lado, Betim seguirá com protocolo mais rígido, pelo menos, até o feriado de Tiradentes, na próxima quarta-feira, abrindo mão de retomar as atividades não-essenciais. Outras cidades, como Caeté, Nova União, Barão de Cocais, Sabará, Itabira, Sarzedo e Pedro Leopoldo farão reuniões hoje para definir os rumos no combate à pandemia.
 
Betim considera que flexibilização seria precipitada e se mantém na onda roxa(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press -10/6/20)
Betim considera que flexibilização seria precipitada e se mantém na onda roxa (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press -10/6/20)
Para os municípios que decidiram voltar à onda vermelha, as mudanças valerão a partir de amanhã. Segundo o protocolo do Minas Consciente, todos os serviços (essenciais ou não) poderão funcionar normalmente, desde que façam restrições com relação ao limite de pessoas nos espaços comerciais e em eventos.
 
Sabará está no grupo dos municípios que fazem reunião hoje para analisar situação (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 2/4/21)
Sabará está no grupo dos municípios que fazem reunião hoje para analisar situação (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 2/4/21)
A Região Metropolitana de BH regrediu à onda roxa em 17 de março, com a suspensão de todas as atividades não-essenciais e adoção de toque de recolher das 20h às 5h. Desde então, empresários do setor de comércio fizeram intensa pressão às prefeituras para que liberassem as atividades que foram fortemente atingidas pela pandemia.
 
Apesar de aderir à onda vermelha, Contagem vai seguir o decreto emitido pelo município em 8 de março. Desta forma, bares, restaurantes e lanchonetes só poderão funcionar em sistema de delivery durante o dia, enquanto academias, clínicas de estética, salões de beleza e barbearias continuarão suspensos. A prefeitura, porém, continuará a fazer reuniões para avaliar as medidas de combate à pandemia com representantes de vários segmentos da cidade.
 
A Prefeitura de Nova Lima também confirmou a saída da onda roxa e a adesão à fase vermelha. O novo decreto deverá ser divulgado pelo município hoje, contendo as regras para o funcionamento do comércio não-essencial. A exemplo de Contagem, o prefeito João Marcelo Dieguez (Cidadania) poderá adotar ou não restrições pontuais para algumas atividades.
 
Em Santa Luzia, o anúncio da migração para a onda vermelha foi feito pela conta do Twitter do prefeito delegado Christiano Xavier (PSD). Em tom de euforia, o chefe do Executivo comemorou a abertura das atividades, mas pediu a compreensão da população em relação às medidas de isolamento social: “Tudo liberado! A partir desse sábado, Santa Luzia volta com todo o comércio, atividades esportivas, educativas e afins. Apenas as feiras livres, como a do Pamital, que ainda não! Mas mantenham todos os cuidados e protocolos exigidos. O momento ainda requer cuidados”, postou o prefeito.
 
Na semana passada, o município chegou a protocolar na Justiça pedido para reabrir as atividades não-essenciais. Christiano Xavier alegou que a cidade teve grande redução do número de casos e mortes e havia aumentado mais de 60 leitos de UTI. A Justiça não chegou a dar parecer favorável à prefeitura.
 
O Estado de Minas tentou contato com as prefeituras de Vespasiano e Pedro Leopoldo, mas não obteve retorno.

BETIM NA ONDA ROXA Uma das cidades mais importantes da Grande BH, Betim optou por seguir diretriz própria no combate ao coronavírus. Para se prevenir contra a expansão de casos e mortes, apenas o comércio essencial continua autorizado a funcionar, desde que obedeça todas as medidas de biossegurança vigentes. Estabelecimentos que não respeitarem as normas podem ter o alvará de funcionamento suspenso ou cassado.
 
"Pela primeira vez em toda a pandemia acho um pouco apressado retornar à onda vermelha porque a situação ainda é grave. Houve um recuo, sim, mas essas variantes são muito mais agressivas, então não podemos, neste momento, arriscar voltar à situação mais crítica. Enquanto as pessoas não forem vacinadas, a letalidade é provável até para os mais jovens. É por isso que estou convencido de que precisamos segurar mais alguns dias", destacou o prefeito Vittorio Medioli (PSD).
 
As restrições também continuam valendo para os templos religiosos, que só podem ficar abertos para visitação e/ou manifestação individual da fé, desde que os protocolos de segurança sejam cumpridos. (Com RD)

*Estagiária sob supervisão da subeditora Rachel Botelho



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade