Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Com funerárias no limite, Contagem muda estrutura para armazenar corpos

Prefeitura estava utilizando estrutura da antiga UPA para acondicionar vítimas da COVID-19. Novo local é amplo e fica distante de áreas residenciais


06/04/2021 21:56 - atualizado 06/04/2021 22:12

De acordo com a Prefeitura de Contagem, novo local para armazenamento de corpos é distante das áreas residenciais(foto: Prefeitura de Contagem/Divulgação)
De acordo com a Prefeitura de Contagem, novo local para armazenamento de corpos é distante das áreas residenciais (foto: Prefeitura de Contagem/Divulgação)
Com o sistema funerário e os necrotérios dos centros de saúde operando no limite, Contagem, na Grande BH, tem uma nova estrutura para armazenar corpos de vítimas da COVID-19. A base montada no antigo prédio da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) JK, no Bairro Eldorado, foi desativada e transferida para uma área no Bairro Beatriz.

De acordo com a Prefeitura de Contagem, o novo espaço está localizado onde ficava sediada a Transcon, autarquia que controla o trânsito da cidade. Ainda de acordo com o Executivo municipal, o local fica distante de áreas residenciais e é mais amplo, sem risco de contaminação à população ou aos profissionais envolvidos.

Uma empresa especializada foi contratada para fazer a remoção e acondicionamento dos corpos, evitando, assim, que permaneçam nas unidades da rede pública de saúde. Cada vítima fica, no máximo, até 24 horas na câmara fria. A estrutura foi montada para desafogar o sistema funerário da cidade.

“Cada unidade de saúde tem necrotérios que cabem duas ou três pessoas. A demanda está maior e não podemos deixar essas vítimas ao relento ou em qualquer lugar. São pessoas que têm histórias, famílias e merecem ser respeitadas. Este novo espaço respeita todas as medidas sanitárias, para abrigar caminhões com refrigeração que conservam os corpos até o enterro, enquanto os cartórios e funerárias estiverem sobrecarregados”, disse a prefeita Marília Campos (PT).

Ainda segundo a prefeitura, 50 vítimas da COVID-19 já passaram pela antiga UPA JK e pela nova estrutura, no Bairro Beatriz. O Executivo municipal também ressaltou que o transporte de corpos “é realizado por veículos apropriados e com segurança sanitária”.

Na última sexta-feira (02/04), o Estado de Minas mostrou a situação na antiga UPA JK. Na ocasião, a prefeitura assegurou que o procedimento adotado pela empresa ao acondicionar corpos na estrutura "não representa nenhum risco de contaminação para a população nem ambiental".


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade