Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Compositora Rosa Quadros morre em decorrência da COVID-19

Ela era viúva de Mangabinha, fundador do Trio Parada Dura, e havia ido para um sítio no interior de Minas, para tentar se proteger do risco de contágio


15/01/2021 17:14 - atualizado 15/01/2021 18:50

Rosa Quadros, compositora, morreu em decorrência de complicações da COVID-19(foto: Reprodução/Redes Sociais)
Rosa Quadros, compositora, morreu em decorrência de complicações da COVID-19 (foto: Reprodução/Redes Sociais)
Foi sepultado no Cemitério Bosque da Esperança, no Bairro Jaqueline (Região Norte), em Belo Horizonte,  na tarde desta sexta-feira (15/01), o corpo da  compositora Rosa Quadros, de 76 anos, viúva do cantor e sanfoneiro Mangabinha , fundador do grupo de música sertanejo Trio Parada Dura, morto em abril de 2015. Rosa Quadros morreu quinta-feira (14/01), em decorrência de complicações da COVID-19.

Rosa Quadros compôs, com Mangabinha, várias músicas gravadas pelo Trio Parada Dura, sendo a mais bem-sucedida As Andorinhas. Ela foi a segunda pessoa ligada ao grupo sertanejo a perder a vida por causa do novo coronavírus. 

Em  13 de setembro do ano passado, o cantor Parrerito, de 67, integrante da última formação do Trio Parada Dura, também morreu devido à complicações da COVID-19. Parrerito (Eduardo Borges) faleceu em um hospital particular em Belo Horizonte, onde estava internado desde 29 de agosto. Ele morava em Contagem, na Região Metropolitana de BH e deixou esposa, filhas e netos. 

Já Rosa Quadros morreu no Hospital Imaculada  Conceição, em Curvelo (Região Central do estado). Ela foi internada com sintomas do novo coronavírus em 6 de janeiro. Dois dias depois, foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. No início desta semana, o quadro se agravou e a compositora não resistiu. 

Refúgio em sítio


A viúva de Mangabinha, cujo nome de batismo é Antônia Quadros Ribeiro, nasceu em Curvelo, mas morava em Belo Horizonte. Desde o início da pandemia, ela foi para um sítio da família, em São José do Buriti, distrito de Felixlândia (perto de Curvelo), justamente para se afastar dos riscos de contaminação, pois era do grupo de risco (mais de 60 anos, diabética e asmática).
 
Apesar do “refúgio”, acabou sendo contaminada e perdeu a vida. Rosa Quadros deixou duas filhas, três netos e dois bisnetos. 
 
A  empresária Clany Maria Soares Nogueira, irmã de Rosa Quadros, disse que não tem ideia de como a compositora foi contaminada pelo novo coronavírus e quem teria transmitido a doença para ela. “Ninguém sabe isso, onde está o vírus. O vírus é invisível”, afirmou Clany, que mora em Belo Horizonte. 

Mineiro de Corinto (Região Central de Minas), o cantor e sanfoneiro Mangabinha (Carlos Alberto Ribeiro), marido e parceiro de Rosa Quadros,  morreu em 23 de abril de 2015, aos 73 anos, em BH. Ele foi vitima de infarto e de complicações da diabetes.

Mangabinha fundou o Trio Parada Dura em 1973, tendo como companheiros Creone e Barrerito. Em 1982, Barrerito (Elcio Neves Borges), após sofrer um acidente áreo, ficou paraplégico e deixou o grupo, sendo substituído pelo irmão Parrerito. Barrerito seguiu carreira solo e morreu em 1998, em Belo Horizonte. 

A última formação do Trio Paradura teve Parrerito, Creone e Xonadão. Da formação inicial, o grupo continua contando somente com Creone (Floriovaldo Alves Ferreira, de 80), tendo companheiro Xonadão.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade