Publicidade

Estado de Minas GOLPISTAS

Quatro paulistas suspeitos de estelionato são presos em Belo Horizonte

Eles são acusados de aplicar o golpe do cartão de crédito, que teria sido clonado a partir de uma compra via internet


03/09/2020 16:32 - atualizado 03/09/2020 17:16

Dois casais de paulistas são acusados de estelionato em BH(foto: Google Street View/Reprodução)
Dois casais de paulistas são acusados de estelionato em BH (foto: Google Street View/Reprodução)
A prisão de dois casais paulistas, acusados de estelionato, no final da manhã desta quinta-feira (3), no Hotel Amazonas Palace, na Avenida Amazonas, Centro de BH, pode ser o primeiro passo para identificar e prender integrantes de uma quadrilha de golpistas que usam cartões de crédito clonados.

Nos últimos 50 dias foi grande o número de estelionatários de São Paulo que agem na capital mineira presos. Na quarta-feira, outros três haviam sido detidos em flagrante no Bairro Anchieta.

Tudo começou quando uma mulher, de 21 anos, procurou a PM para denunciar que tinha recebido uma mensagem no celular de uma reserva em um hotel de BH que não havia sido feita por ela. A partir da mensagem, os policiais foram até o estabelecimento.

Na recepção, pediram informações sobre a reserva. O recibo do hotel confirma que os dados do cartão da vítima foram utilizados de forma indevida para o pagamento da diária. Os policiais foram, então, aos quartos e efetuaram as prisões.

Nas revistas feitas nos dois ambientes e nas bagagens dos suspeitos não foi encontrado nenhum material ou equipamento que os ligasse ao crime de estelionato.

História que não convence


Indagados pelos policiais, os quatro (dois homens e duas mulheres) contaram uma história que não convenceu os policiais. Disseram ser funcionários de uma empresa paulista, Prime Discount, e deram ainda o registro de outra companhia, a Denpab Representações.
 
Os autores alegaram que foi a própria empresa que efetuou o pagamento via internet. “Eles disseram que estavam em BH para trabalhar e que eram funcionários da primeira empresa. E também que estavam no hotel por terem recebido ordens de trabalho para se hospedar nesse hotel, pois as reservas foram feitas pelos patrões, e que não sabiam de nada sobre golpe ou clonagem de cartão”, diz o tenente Abílio, que comandou a operação – que contou com oito policiais do 1º BPM.
 
Segundo o militar, desde o início da pandemia aumentou muito o número de golpes, principalmente via Whatsapp. “Estão clonando grupos e ai o estelionatário pede dinheiro, fingindo ser parente ou amigo, e muitas pessoas caem. É preciso ter cuidado.”
 
A vítima disse que fez algumas compras pelo cartão, e suspeita que a clonagem tenha acontecido dessa maneira. O caso foi registrado no Deflan 2 e passa a ser investigado pela Polícia Judiciária. Os quatro suspeitos seguirão detidos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade