Publicidade

Estado de Minas NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM

Cortejo pelas ruas de BH marca dia de Nossa Senhora da Boa Viagem, padroeira da capital

Homenagem durou mais de quatro horas e percorreu 16 paróquias de várias regiões de Belo Horizonte


15/08/2020 13:11

Na porta das igrejas, os padres receberam a imagem com pequenos altares enfeitados com flores.(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na porta das igrejas, os padres receberam a imagem com pequenos altares enfeitados com flores. (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Um cortejo com duração de mais de quatro horas percorreu na manhã deste sábado (15) 16 paróquias de várias regiões Belo Horizonte, com a imagem peregrina de Nossa Senhora da Boa Viagem, padroeira da capital e que tem seu dia celebrado hoje. Feriado em BH, o dia também é consagrado à Assunção de Nossa Senhora. Na porta das igrejas, os padres receberam a imagem com pequenos altares enfeitados com flores.

Devido à pandemia do novo coronavírus, que impede aglomeração, a tradicional celebração iniciada às 8h no Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua (Igreja da Boa Viagem), na Região Centro-Sul de BH, com a "benção de envio", foi dada pelo padre Marcelo da Silva. A 32a. Caminhada com Maria ocorreu longe da multidão de devotos e na companhia apenas dos condutores de três veículos: um com o andor e um diácono, o do carro de som, e outro com a equipe da pastoral da comunicação do Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua (Igreja Boa Viagem), localizado na Região Centro-Sul de BH.

No início da tarde, às 12h30, a imagem enfeitada com flores, trabalho do seminarista Lucas Lopes, retornou ao templo, sendo recebida por padre Marcelo, pároco e reitor do santuário. Para as 17h, está programado o momento de Vésperas Solene, e no fim da tarde, às 18h, o bispo auxiliar da Arquidiocese de BH, dom Geovane Luís da Silva, vai celebrar missa solene. O pedido dos organizadores é para os católicos acompanharem as comemorações pelas redes sociais da paróquia.

HISTÓRIA Inaugurada em 1922 como monumento ao centenário da independência do Brasil, a Igreja Nossa Senhora da Boa Viagem tem uma história que vai muito além de seu quase um século de história. O reitor e pároco do santuário, padre Marcelo Silva, diz que “é preciso lembrar que a história da capital surgiu com a imagem que estava na capela original, em torno da qual nasceu o arraial, formou-se a vila e cresceu a capital. São mais 300 anos”.

Para entender melhor toda essa história, é preciso voltar no tempo, mais precisamente ao século 18. Em 1709, o português Francisco Homem del Rey conseguiu autorização da Coroa Portuguesa, por meio de cartas de sesmarias, e se estabeleceu na região onde hoje se encontra Belo Horizonte. Segundo estudos históricos, ele trouxe uma imagem da padroeira dos navegantes portugueses, Nossa Senhora da Boa Viagem, que o acompanhou na travessia do Oceano Atlântico.

Para homenageá-la e proteger a imagem, Francisco ergueu em suas terras uma pequena capela de pau-a-pique. Como estava na rota dos tropeiros que passavam pela região transportando riquezas do interior do país, a igrejinha recebeu o nome de Nossa Senhora da Boa Viagem e passou a ser conhecida também como a padroeira dos viajantes.

Com o passar dos anos e a enorme devoção dos fiéis, a capelinha ficou pequena para receber tanta gente e em seu lugar foi construída uma igreja maior. Mas, com a construção da capital, foi necessário erguer um novo templo – o atual Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua Nossa Senhora da Boa Viagem.

Em 1932, o título de padroeira da capital mineira foi oficializado pelo papa Pio XII, a pedido do cardeal dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade