Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Risco de contágio, roubo e furto assustam pelas estradas de Minas

Pelas estradas de Minas Gerais, caminhoneiros contam ao Estado de Minas o preço que pagam expostos a furtos e roubos, além do risco do coronavírus


21/07/2020 06:00 - atualizado 21/07/2020 07:38

Em abril e maio, portanto após as medidas de isolamento social, número de roubos cresceu 12,5% na média do estado e os registros de furtos subiram, em média, 17,3%(foto: Fotos: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Em abril e maio, portanto após as medidas de isolamento social, número de roubos cresceu 12,5% na média do estado e os registros de furtos subiram, em média, 17,3% (foto: Fotos: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)


A disposição circular dos caminhões em um pátio ao lado de posto de abastecimento em Juatuba, na Grande Belo Horizonte, lembra as antigas formações de caravanas que assim se posicionavam para ganhar maior proteção contra índios e bandidos. E é exatamente para obter mais segurança que caminhoneiros brasileiros agora buscam se postar assim de forma unida e alerta ao passar por Minas Gerais, uma vez que os roubos e furtos de cargas dispararam no estado, mesmo com a pandemia e o isolamento social.

Esse é o tema da segunda reportagem da série que o Estado de Minas publica desde ontem pra mostrar os riscos e a vulnerabilidade dos profissionais da área de transporte no Brasil nesses duros tempos do novo coronavírus. Eles encaram todo dia o desconhecido ao cruzar o país levando gente e mercadorias que não podem deixar de ser entregues. O trabalho essencial desses homens e mulheres impõe contato com o perigo de ser contagiado e de levar a possibilidade da transmissão.  O EM conta as aflições e as histórias deles e como estão convivendo com esse novo desafio.

De acordo com dados de crimes acompanhados pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) de Minas Gerais, o número de roubos de cargas nos meses afetados pela epidemia – abril e maio –,  subiu de 64 para 72, acréscimo de 12,5% no estado; e de 19 para 25, representando aumento de 31,5% na Grande BH. Os furtos, que são a modalidade de subtração de bens sem emprego de ameaça ou de violência, também avançaram muito, passando de 52 para 61, evolução de 17,3% na média de registros em Minas; e de 18 para 21, acréscimo de 16,6%, na Grande BH, mesmo com a pandemia.

Os caminhoneiros Wederson Ferreira e Rodrigo Campos já enfrentaram situação de pânico sem apoio policial
Os caminhoneiros Wederson Ferreira e Rodrigo Campos já enfrentaram situação de pânico sem apoio policial


De manhã bem cedo é que os caminhoneiros do pátio em Juatuba ficam sabendo se ocorreram ações criminosas enquanto dormiam dentro de seus veículos, já que pousadas e hotéis se encontram fechados por causa do isolamento social para conter a COVID-19. A novidade na manhã na qual a reportagem do EM chegou ao local era um furto. Os bandidos agiram na madrugada.

Eles se esgueiraram pelos círculos de caminhões até encontrar um deles que estava mais afastado e vulnerável. Sem deixar pistas ou alarde, conseguiram remover e levar a bateria da carreta, item essencial do veículo que representou prejuízo de mais de R$ 600 para o caminhoneiro, obrigado a comprar equipamento novo para seguir em frente.

Se há perigos mesmo no pernoite em pontos conhecidos onde os caminhoneiros buscam segurança nas grandes concentrações de veículos de carga, no meio da estrada a sensação que descrevem é de abandono e medo. “Outro dia, um colega estava na estrada e os bandidos chegaram pela janela e o renderam com um revólver em plena luz do dia mesmo. Como se tivessem passeando. Só que viram que o caminhão estava vazio. Deram uns tapas nele e levaram seus bens, celular, carteira”, conta o caminhoneiro Wederson Ferreira Saraiva, de 42 anos.

Segundo ele, mesmo quem percorre a rota costumeira acaba sendo roubado diversas vezes pelos mesmos assaltantes. “O pior é que a gente que roda nos mesmos locais e, por isso, fica esse medo de ser assaltado. Essa agonia que não é boa. Já fui assaltado mais de uma vez no mesmo trecho no Triângulo, por isso, não passo mais por lá à noite ou com a estrada vazia demais”, afirma.

Cristiano Andrade Cruz Oliveira, caminhoneiro:
Cristiano Andrade Cruz Oliveira, caminhoneiro: "Os governos e as autoridades estão se preocupando só com a pandemia e esqueceram o resto"


O caminhoneiro pernambucano Rodrigo Campos Dias, de 36 anos, afirma já até saber os sinais usados pela quadrilha no momento da tentativa de assalto e, com essa amarga experiência, ele consegue evitar muitas das ações que podem terminar em violência e prejuízos. “Quando um mesmo carro te ultrapassa duas vezes, você sabe que pode ser alguém te perseguindo. O carro te passa uma vez. Aí some na estrada. Quando passa a segunda vez, aí você já fica naquele pânico. Fica olhando o tempo inteiro para o retrovisor para ver se vão tentar alguma coisa. Aquilo fica em você o resto da viagem. Pescoço duro, dor nas costas. Esse que é o preço de não ter segurança”, destaca.

A polícia, segundo Rodrigo e Wederson, conhece os locais mais perigosos, mas falha, muitas vezes, ao reforçar presença e averiguar situações rotineiras. “Já ficamos sendo roubados na beira da rodovia, cercados pelos bandidos e a polícia passou direto por nós, nem sequer pararam para perguntar se estava acontecendo alguma coisa, ou pedir documentos. Acharam que era uma quebra e foram embora sem checar”, reclama Wederson.

Sozinhos A insegurança é só um dos aspectos que mais preocupam os caminhoneiros, mas não é tudo, de acordo com o condutor nascido em Pelotas (RS) Cristiano Andrade Cruz Oliveira, de 43 anos. “Os governos e as autoridades estão se preocupando só com a pandemia e esqueceram o resto. Esqueceram da segurança e da estrutura de apoio. E o caminhoneiro não pode parar, porque senão o Brasil todo para também. Esse é o grande dilema”, afirma o caminhoneiro que transporta de alimentos a cerveja.

“Era preciso valorizar mais o caminhoneiro. Temos pátios sem banheiros, não temos esses pontos de apoio no meio da estrada. Estamos encarando praticamente sozinhos o transporte de alimentos e de mercadorias para quem está isolado nas cidades. Paramos em postos e muitos não têm mais comida, ou cobram valor abusivo. Não têm banheiros e, se o que estiver aberto não é bem recebido, acham que como passamos em vários locais podemos transmitir a doença também”, relata Cristiano.

Patrulhamento falho estimula os bandidos


O abandono e a insegurança que os caminhoneiros descrevem durante o trabalho nas rodovias de Minas Gerais também são observados em outros cantos do país de forma até mais grave. Ronaldo Batista, de 56 anos, já reúne 39 anos de serviços na boleia de um caminhão cruzando o Brasil. Seu último destino é o município de Balsas, no Maranhão, uma vez que começou há 4 meses o escoamento da safra para Cabedelo, na Paraíba, Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, e São Luís.

“O problema é que você para no posto e um cara vem atrás de você com um revólver, te leva para uma estrada vicinal de chão e leva embora a carga e o caminhão”, conta. Segundo ele, nas regiões Norte e Nordeste, quando não se pode levar o caminhão e a carga, os bandidos começaram a depenar os veículos. “Está acontecendo demais também. Eles vêm armados, param o caminhão, vêm com borracheiro e tiram os pneus do caminhão para vender. Deixam só as rodas no asfalto”, conta Ronaldo.

Em Minas Gerais, na avaliação do caminhoneiro, os locais mais inseguros estão na região Norte, próximos aos municípios de Montes Claros, e no trecho entre Taiobeiras e a Bahia. “Nessa região, há roubo de caminhão e de carga todos os dias. Um atrás do outro. Tem demais”, afirma.

Para Ronaldo, falta uma intensificação do patrulhamento. “Ali tem nos postos da polícia uma viatura que é chamada de ronda, que serve para patrulhar os trechos. Mas você pode passar o dia todo na estrada que não vai ver passar nenhuma vez. Tive um pneu dianteiro furado lá, perdi um tempão até arrumar e não vi a tal da (viatura de) ronda. Você chega depois e pergunta no posto onde está a ronda e eles dizem que está atendendo a ocorrência, mas nunca ninguém vê. Se passasse à noite, ajudava muito a gente. Só de vir com as luzes do giroflex ligadas já ajudaria demais”, argumenta. (MP)


Especialista defende nova ação policial


Se, por um lado, o fluxo de carros diminuiu intensamente nas rodovias com as ações de isolamento social, de outro, a necessidade de escoamento de cargas foi ampliada em alguns setores da economia, como observa o especialista em Inteligência de Estado e Segurança Pública, coronel Carlos Júnior. “Mesmo na pandemia o transporte aumentou nos segmentos de saúde e subsistência. Ou seja, os caminhoneiros não ficaram em casa. As estratégias das organizações policiais e da própria iniciativa privada precisam, então, ser adaptadas a essa situação em que os criminosos se aproveitam do movimento de cargas e da extensa malha viária. A duração da pandemia vai exigir uma remodelação completa das estratégias de prevenção criminal”.

Segundo o especialista, é necessário que se mantenha ações ostensivas de policiamento em alvos mais cobiçados pelos ladrões. “É como foi feito pelo Programa Minas Segura (da PMMG), que se justifica a importância da atividade preventiva nas estradas, nas áreas de galpões e locais de armazenamento de produtos. No atual contexto econômico de pandemia, com queda vertiginosa da arrecadação fiscal, essas operações e ações ostensivas nas rodovias e zonas industriais e agrícolas vêm a contribuir, também, na área tributária, para redução da evasão fiscal”, destaca. O coronel Carlos Júnior lembra que os crimes fiscais também se aproveitam da situação de epidemia.

A despeito dos números negativos sobre a segurança nas estradas, o coronel destaca que o policiamento ostensivo rodoviário em Minas tem um histórico de sucesso que difere da realidade dos roubos de carga em todo  o país, em especial nas divisas com Rio de Janeiro, Bahia e Espírito Santo. “Temos a maior malha viária do país e alguns gargalos. Os roubos ocorrem muito em rodovias federais e nos anéis rodoviários, quando os caminhoneiros trazem as cargas para as regiões metropolitanas. O trabalho é sempre dinâmico e ajustado à realidade. Mas, por exemplo, aqui não há pedágios ilegais como em outros estados, onde os motoristas acabam extorquidos. O bem mais importante a ser protegido é a vida dos caminhoneiros”, salienta.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) que redirecionou a questão à Polícia Militar. A corporação não comentou o comparativo de roubos e furtos de cargas feito exclusivamente em datas de pandemia, de abril e maio, preferindo se concentrar no período de janeiro a maio, quando ocorreu uma queda do roubo de cargas de 10%.

“O empenho dos militares do Comando de Policiamento Rodoviário (CPRV) e as operações constantes no Anel Rodoviário e rodovias estaduais e federais delegadas sob a responsabilidade do CPRV, principalmente nesse período de pandemia, bem como criteriosa análise dos dados estatísticos com direcionamento das ações/operações para os locais indicados pelos números, culminou, neste ano de 2020, na prisão de 270 pessoas com mandados em aberto, no registro de 245 ocorrências por tráfico de drogas e na apreensão de 407 armas de fogos. Além disso, 329 veículos foram recuperados pelo CPRV durante as ações preventivas realizadas nas rodovias estaduais e federais delegadas”, informou a corporação. (MP)

Risco ao volante


A série de reportagens do EM sobre os desafios que a pandenia trouxe para os transportadores mostrou ontem, com as matérias “O risco pelo retrovisor” e “Motoristas ficam separados de outros trabalhadores”, as dificuldades na coleta e entrega de frutas produzidas no Norte de Minas Gerais, que abastece sobretudo Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro. O perigo de contágio e disseminação do vírus agravam a condição dos caminhoneiros e levam a relatos, muitas vezes, dramáticos de profissionais mantidos à distância de outros trabalhadores nas regiões produtoras por prevenção. Ele também vivem casos de preconceito nos pontos de parada pelas estradas.

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade