Publicidade

Estado de Minas BRUMADINHO

Diretores da Vale receberão R$ 19 milhões por desempenho no ano da tragédia

Valor aprovado por assembleia de acionistas é referente ao ano de 2019, quando ocorreu o rompimento da barragem do Córrego do Feijão. Decisão revoltou familiares e vítimas em Brumadinho


postado em 02/05/2020 16:25 / atualizado em 02/05/2020 18:43

Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão) (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press)
Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão) (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press)

O pagamento de R$ 19,1 milhões como prêmio por desempenho a diretores da Vale, referente a 2019, ano em que a barragem do Córrego do Feijão se rompeu em Brumadinho, matando 272 pessoas, revoltou familiares e vítimas da tragédia que deixou centenas de desabrigados e arrasou a economia do município. Onze pessoas ainda estão desaparecidas. Entre os beneficiados estão quatro executivos que desempenhavam função de direção à época e que foram indiciados por homicídio duplamente qualificado, juntamente com o ex-presidente da mineradora Fabio Schvasrtsman e mais dez funcionários.

A assembleia que aprovou os bônus, ocorrida na quinta-feira (30/4)  também decidiu retomar e distribuir outros R$ 29,8 milhões referentes ao desempenho em 2018. Os valores foram suspensos logo após a tragédia e serão divididos entre executivos que não estão sendo investigados.

Mesmo apontado um prejuízo de R$ 6,7 bilhões, a companhia entendeu que os executivos cumpriram metas de sustentabilidade e reparação de danos do desastre. Balanço divulgado no dia 28, a Vale registra que pagou R$ 3,6 bilhões em indenizações e ações emergenciais, para 7 mil pessoas. Entre os diretores com direito ao bônus, os quatros executivos na direção da empresa durante o rompimento são Luciano Siani, de Suporte ao Negócio, Alexandre Pereira, de Relações Institucionais, Luiz Eduardo Osório e o atual presidente Eduardo Bartolomeo, à época diretor de Não Ferrosos.

Sócios minoritários e o BNDES votaram contra a decisão, mas foram votos vencidos diante dos acionistas que detém 60% das ações, entre eles o Bradesco e Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.

A notícia revoltou a população da cidade e associação que reúne familiares de vítimas e atingidos no rompimento da barragem AVABRUM, divulgou a seguinte nota:

“Para a AVABRUM, Associação dos Familiares de vítimas e atingidos do Rompimento da Barragem de Córrego Feijão em Brumadinho, a informação do retorno da premiação/bônus aos acionistas e diretores da Vale é mais uma afronta e motivo de indignação das famílias das 272 vítimas. Vidas que foram ceifadas, por uma empresa que gerenciou por anos a cultura do erro, mas que em placas e processos internos prega a vida em primeiro lugar.

Em janeiro deste ano, a Polícia Federal e o Ministério Público divulgaram o relatório final, no qual é fato consumado que a Vale sabia das condições de risco da  Barragem BI e outras nove barragens no Brasil. No entanto, com uma cultura enraizada em administrar erros, optou por deixar como está, negligenciou números, laudos e hoje vivemos o luto de 272 vidas.

No relatório desses órgãos competentes, 16 pessoas foram indiciadas e até o presente momento ninguém foi preso. Se a empresa está preocupada em recompensar seus acionistas e diretores, deveria primeiro pensar na reparação de todas as 272 famílias e comunidades atingidas.

Em julho de 2019, a Vale fechou um acordo aviltante de indenização trabalhista com Ministério Público do Trabalho (MPT) e durante meses, lutamos para que as indenizações fossem próximas do que a própria Vale informava em seus relatórios executivos, que num eventual rompimento da Barragem B1,  que cada familiar de vítima receberia uma quantia próxima a R$ 10 milhões. Porém, o acordo firmado ficou muito abaixo deste patamar e muitos familiares que aderiram a este acordo logo após a celebração do mesmo, ainda aguardam o pagamento, principalmente os valores devidos pelo DANO MATERIAL, que hoje é objeto de divergências para várias famílias, devido às discordâncias no cálculo do dano material.

Há situações de divergências, que a empresa manifesta no processo posicionando contraria aos valores, o que cria ainda mais morosidade ao processo e dor aos familiares. O sofrimento dos familiares é grande demais, continuamos presos a lama do dia 25 de janeiro de 2019. Vida não tem reparação.  Seguimos aguardando o retorno das buscas e o encontro das 11 JOIAS (11 famílias que ainda não tiveram o direito de sepultar seus familiares). Nesse momento de Pandemia, as operações da Vale/SA seguem, mas as buscas foram interrompidas. Nossas vidas estão paralisadas também, pois seguimos aguardando nossas 11 JOIAS. Nos solidarizamos com as famílias que perderam suas JOIAS pelo COVID-19 e sabemos a dor que é não poder se quer despedir de seu ente querido. Não vamos desistir até encontrar a última joia!” Onze pessoas ainda estão desaparecidas."

Procurada pela reportagem, a assessoria da Vale encaminhou a seguinte nota ao Estado de Minas: “A Vale segue comprometida com a reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem em Brumadinho e com o suporte aos atingidos. Até o momento, quase 7.000 pessoas estão contempladas em acordos de indenização civil ou trabalhista já assinados, que totalizam, com as indenizações emergenciais pagas, cerca de 3,6 bilhões de reais.”


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade