Publicidade

Estado de Minas CARNAVAL EM BH

Canto da Alvorada é vencedora


postado em 28/02/2020 04:00 / atualizado em 27/02/2020 23:39

Escola levou para a avenida enredo inspirado no estilista Ronaldo Fraga (foto: Isis medeiros/Acervo belotur/divulgação)
Escola levou para a avenida enredo inspirado no estilista Ronaldo Fraga (foto: Isis medeiros/Acervo belotur/divulgação)

O tradicional carnaval da Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte, teve como campeã uma das escolas de samba com mais história na cidade. A Canto da Alvorada subiu pela 17ª vez no lugar mais alto do pódio dos desfiles e se consolidou como a agremiação com mais vitórias, seguida pela Cidade Jardim, com 15, que não vence desde 1986.
 
Em seu desfile, a agremiação homenageou o estilista Ronaldo Fraga, reconhecido na passarela da moda e agora, também, na passarela do samba. A escola foi para avenida com o enredo “Memórias de um estilista coração de galinha”, conduzido por 750 componentes divididos em 17 alas e quatro carros alegóricos, tudo sob o comando do carnavalesco Serginho Beagá.
 
A disputa foi acirrada entre três escolas: além da campeã, a Acadêmicos de Venda Nova (história do empresário Fabiano Lopes Ferreira) garantiu a segunda colocação e a Cidade Jardim (300 anos de Minas Gerais), a terceira. Elas levam para casa, respectivamente, R$ 40 mil e R$ 20 mil. O que pesou a favor da Canto da Alvorada foi justamente o enredo: três notas 10.
 
Neste ano, o carnaval de BH não teve disputas de segundo escalação, o Grupo B. Com isso, nenhuma agremiação foi rebaixada. No total, foram oito desfiles, todos ocorridos na última terça-feira, na Afonso Pena. Além das três mais bem colocadas, participaram da disputa Unidos dos Guaranys, Raio de Sol, Mocidade Independente Bem-Te-Vi, Imperavi dos Ouros, Estrela do Vale e Imperatriz de Venda Nova, que fez um cortejo simbólico e não teve pontuação computada.
 
BLOCOS CARICATOS Outra competição ligada ao carnaval, o Grupo A dos blocos caricatos teve como destaque os Bacharéis do Samba, que conquistaram o terceiro título consecutivo da competição. Neste ano, a agremiação trouxe um enredo inspirado no cantor Raul Seixas, um dos ícones do rock brasileiro, que faria 75 anos em 2020. O bloco levou para a Avenida Afonso Pena, na segunda-feira, cinco sucessos gravados por Raulzito: Gita, Maluco beleza, Metamorfose ambulante, Cowboy fora da lei e Há 10 mil anos atrás. Com o título, os Bacharéis do Samba ganharam R$ 30 mil. Os blocos Estivadores do Havaí e Por Acaso alcançaram o segundo e terceiro lugares, respectivamente. Garantiram R$ 20 mil e R$ 10 mil.
 
Já o Grupo B da categoria foi vencido pelo bloco caricato mais antigo de Belo Horizonte, o Corsários do Samba, fundado em 1962, no Bairro Floresta, Região Leste da cidade. Neste ano, a agremiação exaltou o amor pela capital mineira e a performance deu aos integrantes uma premiação de R$ 5 mil.



Publicidade