Publicidade

Estado de Minas

Chega a 52 o número de notificações de febre maculosa em Contagem

Segundo a prefeitura, 47 casos são investigados no município. Amanhã, equipes vão aplicar veneno contra o carrapato-estrela nas casas da Rua Primeiro de Maio


postado em 13/06/2019 08:57 / atualizado em 13/06/2019 12:15

Carrapato-estrela, transmissor da febre maculosa(foto: Raquel Portugal/Fiocruz Imagens)
Carrapato-estrela, transmissor da febre maculosa (foto: Raquel Portugal/Fiocruz Imagens)


Subiu para 52 o número de casos de febre maculosa notificados à Secretaria Municipal de Saúde em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O novo boletim foi divulgado na manhã desta quinta-feira. 

De acordo com a Secretaria, das 52 notificações, cinco foram confirmadas e outros 47 casos são investigados. Deste total, quatro são mortes de vítimas da febre maculosa, doença transmitida pelo carrapato-estrela. 

Na sexta-feira, dia 14, agentes da equipe de zoonoses vão aplicar veneno contra o parasita nas casas da Rua Primeiro de Maio, no Bairro Nacional, onde surgiram os focos da doença. É a terceira fase da dedetização, que tem quatro ciclos. 

A aplicação de cal no terreno próximo aos córregos, onde há uma população de capivaras, chegou à fase final.  O produto aumenta a acidez do solo e mata os carrapatos.

A Prefeitura de Contagem já atendeu mais de 50 carroceiros que levaram cavalos para receber o banho de carrapaticida. O serviço é oferecido por dois ecopontos e deve continuar até agosto. Os banhos devem ser realizados a cada 15 dias.  

Temendo episódios violentos contra pessoas e animais, a prefeitura alerta a população sobre as formas de contágio. “(...) não hostilizem os carroceiros e nem maltratem os animais. Os cavalos são importantes para que não haja infestação de carrapatos. O banho de carrapaticida elimina os parasitas”, pede o Executivo Municipal. “O carrapato-estrela adquire a bactéria, causadora da febre maculosa, apenas de capivaras. Cavalos, cães, gatos e aves são hospedeiros do parasita e não amplificadores da doença”, pontua.
 
(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)
 


Publicidade