Publicidade

Estado de Minas

Moradores reclamam de corte de árvores na Serra

Prefeitura de Belo Horizonte faz a retirada das castanheiras na Rua Pirapetinga


postado em 11/06/2019 14:26 / atualizado em 11/06/2019 20:44

(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)

Moradores reclamam da supressão de árvores na Rua Pirapetinga, no Bairro Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os vizinhos afirmam que a prefeitura não tem laudo técnico que comprove a necessidade de retirada das castanheiras. Na manhã desta terça-feira, uma árvore já havia sido cortada, mas os funcionários estariam almoçando e voltariam para cortar mais uma.

O morador Paulo Peixoto, de 57 anos, está na prefeitura tentando evitar o corte de outras árvores. Para ele, a revolta é grande em retirar as árvores centenárias, que compõem as características visuais da rua. “Um morador reclamou que que a raiz estava prejudicando a garagem e o portão da sua residência, mas isso também aconteceu comigo no ano passado. Chamamos a prefeitura, que visitou o local e corrigimos nosso passeio para que a castanheira permanecesse por ali”, contou.

Segundo ele, a equipe que estava no local não apresentou justificativa para o corte de outras árvores. Ainda de acordo com o morador, uma delas não havia reclamação. O pedido seria feito por um técnico da prefeitura, mas eles não apresentaram aos moradores uma justificativa. 

(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)

Outra reclamação é com relação ao órgão responsável. “Falaram que é ordem da Secretaria de Obras, mas a gente acredita que o certo seria a Secretaria do Meio Ambiente. Acho que no mínimo eles deveriam estar acompanhando com engenheiros ambientais que dessem justificativa para o corte. Se estiverem condenadas a cair tudo bem, mas elas estão lindas, espetaculares. Isso é um crime ambiental”, reclamou o morador.

Por meio de nota, a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) alegou que todos os seus serviços de podas e supressão são precedidos de laudos técnicos emitidos com os critérios da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

“São priorizadas as podas e supressões de árvores que representam riscos à vida humana ou danos materiais, as secas (mortas) que já possuam laudos indicando a supressão, com iminente risco de queda. Nos casos de interferência com o sistema elétrico (as redes de eletricidade), a CEMIG precisa ser acionada para o trabalho ser feito em conjunto”, finalizou.
 
 
(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A. Press)

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.
 


Publicidade