Publicidade

Estado de Minas

Maculosa ultrapassa área de surto em Contagem e prefeitura aguarda Ministério da Saúde

Cidade da região metropolitana investiga mais dois casos da doença, desta vez fora do bairro onde há 32 notificações e três mortes. Outros dois óbitos ocorreram em Governador Valadares e em Raul Soares


postado em 07/06/2019 06:00 / atualizado em 07/06/2019 08:21

Agente de saúde faz desinfestação de carrapatos em Contagem(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Agente de saúde faz desinfestação de carrapatos em Contagem (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Subiram para 34 as notificações por febre maculosa em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A cidade registrou pela primeira vez dois casos suspeitos fora da zona quente, onde estava concentrado o surto da doença, no Bairro Nacional. As contaminações prováveis mais recentes ocorreram em moradores dos bairros Eldorado e Vargem Grande. Nesta sexta-feira, três representantes do Ministério da Saúde são aguardados na cidade para acompanhar os trabalhos realizados pelo município.  Em todo o estado, há sete casos confirmados de maculosa e cinco mortes. Além de Contagem, cidades da Zona da Mata são as que mais sofreram as consequências da picada do carrapato-estrela.

Um dos novos casos suspeitos é de um morador do Bairro Eldorado, que teria sido infectado na cidade vizinha de Betim, onde passou o fim de semana. O homem foi picado no sábado e procurou atendimento numa Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Contagem, anteontem. A outra suspeita se refere a uma mulher, moradora da zona rural, no Bairro Vargem das Flores, onde há forte presença de cavalos, outro hospedeiro do carrapato.

No Bairro Nacional, há 32 notificações, sendo que três mortes foram confirmadas para a doença. As vítimas tiveram contato com o carrapato na mata que fica nos fundos de um terreno de aproximadamente 120 mil metros quadrados, na Rua Primeiro de Maio. O terreno é dividido em 10 lotes e, em cada um deles, há pelo menos três casas. A estimativa da Prefeitura de Contagem é de que pelo menos 128 pessoas tenham tido contato com a mata. No local, passam dois córregos – o Água Funda e o Gangorra – afluentes do Sarandi, que deságua na Lagoa da Pampulha. Às margens dos cursos d’água é comum a presença de capivaras, que também são hospedeiras do parasita.

É neste local que haverá vistoria, por volta das 10h30 de hoje, de três técnicos do Ministério da Saúde. Eles vão visitar o terreno afetado e colher amostras do carrapato.

Além das análises relativas a Contagem, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) examina exames de 31 pessoas que apresentaram sintomas da doença em BH. Somente na capital e em Contagem, as notificações somam 65 casos. Em Minas, foram confirmados ainda dois casos (sendo um óbito) em Faria Lemos e um caso que resultou também em morte em Raul Soares, ambas as cidades na Zona da Mata. Governador Valadares, no Vale do Aço, também tem um caso confirmado.

Ontem, o coordenador dos trabalhos de manejo das capivaras em BH, Leonardo Maciel, fez vistoria no terreno do Bairro Nacional. Ele explicou como foi feito o manejo das capivaras em BH e ficou acordado que equipes da capital e das secretarias de Meio Ambiente e Saúde de Contagem vão trabalhar juntas. Em reunião na prefeitura daquele município, o comitê de crise formado para gerir a situação aprovou ações e prazos para os trabalhos. Pelo cronograma, o diagnóstico deve ser fechado nos próximos 15 dias e, em 20, elaborado o plano de manejo que pode ser igual ao de BH ou ter algumas modificações.

Também ficou definido que a partir de segunda-feira, dois ecopontos na regional Nacional vão oferecer o serviço de banho de carrapaticida aos cavalos de carroceiros. A medida deve beneficiar carroceiros de 90 bairros. Outra medida é a limpeza de toda a área onde foram encontrados os focos dos carrapatos. Cerca de 20 homens estão no terreno de oito hectares com maquinário, revirando a terra e aplicando cal. A cal aumenta a acidez do solo e mata os carrapatos. Em três dias de ação, mais da metade do terreno já tinha recebido a aplicação do produto.

Conforme mostrou o Estado de Minas na edição de ontem, o termo de cooperação entre as secretarias de BH e Contagem deve ser estendido ainda para os municípios vizinhos de Esmeralda, Ribeirão das Neves, Betim e Ibirité. Betim e Contagem têm a represa de Vargem das Flores, onde há capivaras. A preocupação com Ibirité é por causa da represa da Petrobras, que faz limite com Betim e está perto de Contagem. Já Ribeirão das Neves entra no radar pela proximidade com o Bairro Nacional, onde houve o surto de maculosa.


Publicidade