Publicidade

Estado de Minas

Atingidos de Brumadinho realizam exame de corpo de delito para detectar lesões corporais

Polícia Civil e Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) organizaram mutirão para ouvir pessoas que sofreram ferimentos decorrentes da catástrofe de Brumadinho


postado em 31/05/2019 16:16 / atualizado em 31/05/2019 16:58

(foto: Divulgação/MPMG)
(foto: Divulgação/MPMG)
 
 
A Polícia Civil de Minas Gerais e o Ministério Público do estado (MPMG) organizaram um mutirão para ouvir os atingidos fisicamente pela tragédia de Brumadinho nesta sexta-feira (31). Na ocasião, as autoridades realizaram exame de corpo de delito nesses prejudicados e ouviram a história de cada um deles, com objetivo de incorporar essas informações ao inquérito aberto contra a Vale. A atividade aconteceu na Faculdade Asa, no Centro de Brumadinho. 

O mutirão contou com trabalhos de três delegados, 11 investigadores, três escrivães e dois promotores de Justiça. "É mais uma etapa das investigações, onde (sic) nós procuramos colher e massificar o máximo de declarações das vítimas. Também materializar, através de requisições periciais e médicos legistas que já estão aqui, as lesões corporais, que são importantes para a investigação", afirmou o delegado Eduardo Figueiredo Vieira.

As oitivas acontecem mais de quatro meses depois da tragédia, ocorrida em 25 de janeiro na Mina do Córrego do Feijão. Segundo o promotor de Brumadinho William Garcia Pinto Coelho, tamanho intervalo de tempo tem o objetivo de resguardar as vítimas. "É o tempo adequado para nós identificarmos as pessoas, adotarmos procedimentos para não revitimização na oitiva dessas pessoas e aguardarmos o tempo adequado para acomodação das perspectivas pessoais e psicológicas dessas pessoas para novamente abordar este tema. A gente ouve cada uma delas para ouvir suas histórias", explica.

De acordo com o promotor, o mutirão se voltou aqueles que sofreram alguma deformidade permanente ou que gere alguma dificuldade física futura. No entanto, não havia obrigação de comparecimento por parte do prejudicado.
 
Embora o foco da ação fossem as vítimas potenciais de lesão corporal em decorrência do fato, a equipe de trabalho colheu depoimentos de todos os atingidos que estiveram no local. 

Até esta sexta, a tragédia de Brumadinho deixou 245 mortos e 25 desaparecidos, segundo o último boletim divulgado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade