Publicidade

Estado de Minas

Hemominas convoca doadores de sangue do tipo O negativo

Atendimento será com prioridade para doadores desse tipo sanguíneo para ajudar vítimas atingidas na barragem de Brumadinho


postado em 25/01/2019 17:24 / atualizado em 25/01/2019 18:12

(foto: Ramon Lisboa/EM - 17/02/2017)
(foto: Ramon Lisboa/EM - 17/02/2017)
A Fundação Hemominas informou, na tarde desta sexta-feira, que está em estado de alerta, por causa da tragédia em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Por isso, os atendimentos aos doadores de sangue do tipo O Negativo serão atendidos com prioridade em todas as unidades, principalmente no Hemocentro de Belo Horizonte.

“Para suprir uma possível demanda especial estamos convocando a todos os doadores deste tipo sanguíneo, para comparecerem a unidade de doação mais próxima” diz a nota divulgada pela fundação.

O hemocentro em Belo Horizonte fica na Alameda Ezequiel Dias, nº 321, no Bairro Santa Efigênia, na Região Leste de BH. O local funciona de segunda a sexta das 7h às 18h e amanhã também está aberto no mesmo horário para receber os doadores.

Clique aqui para consultar todas as informações das unidades da Hemominas, que possui Hemocentro em outras 19 cidades de Minas Gerais.

O telefone para mais informações é o  (31) 3768-4500 ou pelo  site da Fundação Hemominas.

Quem pode doar

  • Pessoas entre 16 e 69 anos. Mas, atenção: se o candidato à doação de sangue tem entre 16 e 17 anos ou mais de 60 anos, é importante conhecer as Normas e documentos necessários para doação de sangue.
  • Quem estiver em boas condições gerais de saúde; 
  • Quem mantém um estilo de vida saudável e não se expõe a situações com risco acrescido para aquisição de doenças infecciosas e sexualmente transmissíveis.
  • Quem pesa acima de 50 kg;
  • Mulheres, mesmo se menstruadas ou em uso de anticoncepcionais.

Quem não pode doar

Há várias situações que impedem a doação de sangue definitiva ou temporariamente. Entre elas, o peso, algumas doenças, medicamentos, gravidez, uso de drogas injetáveis, situações de risco acrescido para doenças infecciosas e sexualmente transmissíveis, ingestão de bebidas alcoólicas etc.
 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Jociane Morais 


Publicidade