Publicidade

Estado de Minas

Conheça história de irmãs apá­tri­das que se tornaram ci­da­dãs bra­si­lei­ras

De­ci­são do go­ver­no de con­ce­der na­ci­o­na­li­da­de às du­as re­a­cen­de a esperança. No mun­do, cer­ca de 10 mi­lhõ­es de pes­so­as vi­vem na in­vi­si­bi­li­da­de


postado em 28/10/2018 06:00 / atualizado em 29/10/2018 15:21

(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
 

“Se­rá que eu es­tou so­nhan­do? Se­rá que é verdade?” Es­sa foi a re­a­ção de Maha Ma­mo, de 30 anos, ao sa­ber que o go­ver­no con­ce­deu a na­ci­o­na­li­da­de bra­si­lei­ra a ela e à sua ir­mã, Sou­ad Ma­mo, de 31, que até en­tão eram con­si­de­ra­das apátridas. Apá­tri­das são pes­so­as que não são ti­tu­la­res de qual­quer nacionalidade. O anún­cio ocor­reu no iní­cio do mês, du­ran­te um even­to na Or­ga­ni­za­ção das Na­çõ­es Uni­das (ONU), em Ge­ne­bra, na Suí­ça, e deu fim a uma vi­da na in­vi­si­bi­li­da­de e de in­cer­te­zas quan­to ao futuro. Com uma ban­dei­ra bra­si­lei­ra en­ro­la­da or­gu­lho­sa­men­te no pes­co­ço, a no­va ci­da­dã bra­si­lei­ra, que vi­ve em Be­lo Ho­ri­zon­te, não con­te­ve as emo­çõ­es: “Foi uma gran­de sur­pre­sa e es­ta­mos mui­to felizes. É uma con­quis­ta mui­to im­por­tan­te pa­ra nós”, con­tou Maha.

O cho­ro de ale­gria veio de um es­for­ço du­ran­te to­da a vi­da pe­lo re­co­nhe­ci­men­to co­mo cidadãs. Is­so por­que to­do be­bê ao nas­cer é re­gis­tra­do e ob­tém um do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção com no­me, ida­de e nacionalidade. E é es­se sim­ples pa­pel que, du­ran­te a vi­da, faz com que vo­cê con­si­ga ter aces­so a di­rei­tos bá­si­cos pa­ra exer­cer ci­da­da­nia, co­mo se ma­tri­cu­lar em uma es­co­la pa­ra es­tu­dar, con­se­guir um em­pre­go, fa­zer uma con­sul­ta mé­di­ca no hos­pi­tal, abrir uma con­ta ban­cá­ria ou vi­a­jar pa­ra qual­quer lugar. As ir­mãs Mo­mo fo­ram du­as das 10 mi­lhõ­es de pes­so­as no mun­do, de acor­do com a Or­ga­ni­za­ção das Na­çõ­es Uni­das (ONU), que não ti­ve­ram es­se do­cu­men­to e vi­vi­am nes­sa situação. Nas­ci­das no Lí­ba­no, elas não pu­de­ram ser re­gis­tra­das no país por­que o pai é cris­tão e a mãe, muçulmana. O ca­sa­men­to in­ter-re­li­gi­o­so não é re­co­nhe­ci­do no país árabe. Por­tan­to, nem os fi­lhos do ca­sal pu­de­ram ser registrados.

Foi en­tão que os três fi­lhos pe­di­ram re­fú­gio ao Bra­sil em 2014. E em Be­lo Ho­ri­zon­te eles fo­ram aco­lhi­dos por uma fa­mí­lia mo­ra­do­ra do Bair­ro Ser­ra­no, na Re­gi­ão da Pampulha. Em ju­nho des­te ano, dois de­les se tor­na­ram os pri­mei­ros apá­tri­das da his­tó­ria a te­r a con­di­ção re­co­nhe­ci­da pe­lo go­ver­no bra­si­lei­ro, a par­tir da no­va Lei de Mi­gra­ção (Lei 13.445). O ir­mão ca­çu­la, in­fe­liz­men­te, não te­ve es­se so­nho re­a­li­za­do, mais uma ví­ti­ma da vi­o­lên­cia ur­ba­na do Brasil.

Sou­ad e Maha Ma­mo lu­ta­vam pa­ra ob­ter a ci­da­da­nia bra­si­lei­ra e, fi­nal­men­te, exis­tir pa­ra o res­to do mundo. Em 1º de ou­tu­bro, elas pres­ta­ram o tes­te de pro­fi­ci­ên­cia na lín­gua portuguesa. O re­sul­ta­do de­ve­ria sa­ir em dezembro. En­tre­tan­to, em 4 de ou­tu­bro, veio a gran­de sur­pre­sa, com a con­ces­são da na­ci­o­na­li­da­de – o go­ver­no bra­si­lei­ro re­con­si­de­rou uma pro­va fei­ta por elas. “Com a na­ci­o­na­li­da­de, va­mos ti­rar o pas­sa­por­te e vi­a­jar pe­lo Bra­sil e pe­lo mun­do”, dis­se ela.

DE­SA­FI­OS
PA­RA EXIS­TÊN­CIA


Os de­sa­fi­os pa­ra so­bre­vi­ver co­me­ça­ram já nos pri­mei­ros mo­men­tos de vi­da da fa­mí­lia, já que, pa­ra o país, era co­mo se es­sas cri­an­ças não ti­ves­sem nascido. O pri­mei­ro, e dos gran­des, foi ma­tri­cu­lar as cri­an­ças na escola. “Nós éra­mos re­cu­sa­das, já que não tí­nha­mos documentos. Tu­do o que con­se­gui­mos era na ba­se do ‘fa­vor’”, lem­brou a jovem. As du­as ir­mãs pre­ci­sa­vam usar do­cu­men­tos em­pres­ta­dos de ami­gos pa­ra ati­vi­da­des bá­si­cas, co­mo com­prar um chip de te­le­fo­ne, en­trar em uma fes­ta ou se con­sul­tar em um hospital.

Ela lem­bra de um epi­só­dio de emer­gên­cia em que po­de­ria ter mor­ri­do se não fos­se pe­la so­li­da­ri­e­da­de de uma ami­ga: “Es­ta­va em um ca­sa­men­to quan­do co­mi al­go de que te­nho alergia. Foi en­tão que eu e uma ami­ga cor­re­mos pa­ra um hospital. Na pri­mei­ra ten­ta­ti­va, dis­se­ram que não po­de­ri­am me atender. Cor­re­mos pa­ra o se­gun­do hospital. Lá, já es­tá­va­mos tão frus­tra­das e eu pas­san­do tão mal, que ela me em­pres­tou os seus documentos. Fui aten­di­da co­mo Ni­co­le”.

E, pa­ra com­pli­car ain­da mais, uma guer­ra ci­vil foi de­fla­gra­da em 2006 no Lí­ba­no: “Com a guer­ra, a quan­ti­da­de de blit­ze no Lí­ba­no au­men­tou, por cau­sa das bombas. Se a po­lí­cia nos en­con­tras­se sem do­cu­men­to, éra­mos con­si­de­ra­das terroristas. Po­dí­a­mos ser presas. En­tão, tor­nou-se ain­da mais com­pli­ca­do sa­ir na rua, es­tu­dar, con­se­guir qual­quer ou­tra coi­sa”. Di­an­te des­sa si­tu­a­ção, elas pas­sa­ram a en­vi­ar pe­di­dos de so­cor­ro pa­ra ou­tros paí­ses, es­cre­ven­do car­tas pa­ra em­bai­xa­das no mun­do inteiro.

Após ape­lar a re­pre­sen­ta­çõ­es di­plo­má­ti­cas e go­ver­nan­tes de mais de 190 paí­ses du­ran­te anos e a mai­o­ria ne­gar ou não fa­ci­li­tar a emis­são de do­cu­men­to, as ir­mãs con­se­gui­ram vir pa­ra o Bra­sil em 2014, com o ir­mão mais no­vo, Edward. O go­ver­no bra­si­lei­ro emi­tiu pa­ra a fa­mí­lia um pas­sa­por­te pro­vi­só­rio, equi­va­len­te ao que o es­tran­gei­ro re­ce­be quan­do per­de o do­cu­men­to en­quan­to vi­si­ta o país. “Foi o pri­mei­ro lu­gar on­de eu con­se­gui do­cu­men­tos com fo­to e no­me”, contou.

EM MI­NAS GE­RAIS A fa­mí­lia foi re­ce­bi­da no Bra­sil co­mo re­fu­gi­a­da, já que o con­cei­to de apá­tri­da nem exis­tia no país. Os ir­mã­os Ma­mo de­sem­bar­ca­ram no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal Tan­cre­do Ne­ves, em Con­fins, Gran­de Be­lo Ho­ri­zon­te, em se­tem­bro de 2014, de­pois de co­nhe­cer uma fa­mí­lia pe­las re­des so­ci­ais li­ga­da a gru­pos religiosos. “Eu não co­nhe­cia ab­so­lu­ta­men­te na­da so­bre o Bra­sil e, mui­to me­nos, so­bre Be­lo Horizonte. Acha­va que se fa­la­va espanhol. Após a opor­tu­ni­da­de de ser­mos aco­lhi­dos, abri o Fa­ce­book, di­gi­tei ‘Bra­sil’ e vi que uma ami­ga ti­nha fei­to che­ck-in no Rio de Ja­nei­ro em 2013. Foi ela quem me pas­sou o con­ta­to de uma fa­mí­lia de BH, on­de fo­mos re­ce­bi­dos”, conta. Pri­mei­ro, Sou­ad veio e, em se­gui­da, Maha e Edward.

O trio viu na ca­pi­tal mi­nei­ra a es­pe­ran­ça e a gran­de opor­tu­ni­da­de de co­me­çar uma no­va vida. Aco­lhi­do por uma fa­mí­lia no Bair­ro Ser­ra­no, o trio que che­gou do Lí­ba­no en­fren­tou uma gran­de bar­rei­ra cul­tu­ral e lin­guís­ti­ca – já que ne­nhum de­les fa­la­va por­tu­guês e ne­nhum dos be­lo-ho­ri­zon­ti­nos com os quais eles ti­nham con­ta­to fa­la­va inglês. Mas, Sou­ad, Maha e Edward es­ta­vam fe­li­zes de­mais pa­ra se pre­o­cu­par com is­so e dis­pos­tos a apren­der tu­do so­bre o país e so­bre a cidade.

Is­so até que em 30 de ju­nho de 2016, o ir­mão de­las so­freu uma ten­ta­ti­va de as­sal­to e foi as­sas­si­na­do, aos 26 anos. Edward Ma­mo es­ta­va em um car­ro pa­ra­do em uma rua do bair­ro, quan­do eles fo­ram abor­da­dos por dois ho­mens e uma mu­lher, que anun­ci­a­ram o assalto. Edward não fa­la­va por­tu­guês e os ho­mens man­da­ram a ví­ti­ma en­tre­gar a cha­ve do carro. Co­mo não en­ten­de­ram o que o ra­paz di­zia, um dos as­sal­tan­tes ati­rou du­as ve­zes pa­ra o alto. Ao ver que não con­se­gui­ria le­var o car­ro, ele ati­rou con­tra o pei­to de Edward.

Ele che­gou a ser le­va­do pa­ra uma Uni­da­de de Pron­to-Aten­di­men­to (UPA), on­de che­gou a ser aten­di­do, mas não resistiu. Maha es­ta­va no in­te­ri­or de São Pau­lo quan­do is­so aconteceu. “Foi a mai­or tris­te­za da mi­nha vida. Eu só con­se­guia cho­rar, cho­rar, chorar. Vi­a­jei cor­ren­do pa­ra BH, não con­se­guia acre­di­tar o que ti­nha acon­te­ci­do com o meu irmão.” O ca­so co­mo­veu a ca­pi­tal mi­nei­ra e uma cam­pa­nha na in­ter­net bus­cou ar­re­ca­dar di­nhei­ro pa­ra o tras­la­do do cor­po de Edward pa­ra ser se­pul­ta­do em seu país de ori­gem, on­de os pais ain­da moram.

Des­de en­tão, a lu­ta de Maha mu­dou: “Não que­ro vi­ver nem mais um dia sem passaporte. Que­ro mi­nha nacionalidade. Não que­ro mais vi­ver em um lim­bo”, de­cla­rou ela, an­tes de ter a na­ci­o­na­li­da­de concedida. An­tes da no­va Lei de Mi­gra­ção, o Bra­sil re­ce­beu as apá­tri­das co­mo refugiadas. Após con­quis­tar os pri­mei­ros do­cu­men­tos nes­sa con­di­ção, elas de­ram um pas­so im­por­tan­te: o re­co­nhe­ci­men­to da con­di­ção de apátridas. As­sim, as ir­mãs Maha e Sou­ad Ma­mo pu­de­ram, fi­nal­men­te, re­que­rer a na­tu­ra­li­za­ção bra­si­lei­ra – pro­ce­di­men­to dis­po­ní­vel es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra quem não tem nacionalidade. Na prá­ti­ca, quan­do con­si­de­ra­das bra­si­lei­ras elas pas­sam a ter to­dos os di­rei­tos ci­vis de ci­da­dã­os na­ci­o­nais – co­mo ter pas­sa­por­te e aces­so ao sis­te­ma pú­bli­co de saúde.

“O Bra­sil me deu a vi­da e te­nho um ca­ri­nho es­pe­ci­al por BH. Mui­tas ve­zes sou ques­ti­o­na­da por vi­ver no mes­mo lu­gar on­de meu ir­mão faleceu. Mas, dei­xo cla­ro: o Bra­sil deu vi­da pa­ra o meu irmão. Quan­do ele fa­le­ceu, se ele es­ti­ves­se em ou­tro lu­gar, ele não te­ria nem nas­ci­do e nem mor­ri­do”, contou. Ela ho­je mo­ra no Bair­ro Si­on, na Re­gi­ão Cen­tro-Sul da ca­pi­tal mineira. De­ci­diu se de­di­car à cau­sa que en­vol­veu sua vida. Maha ain­da tem ti­do um pa­pel de aju­dar a sen­si­bi­li­zar fun­ci­o­ná­ri­os go­ver­na­men­tais e par­la­men­ta­res so­bre o pro­ble­ma e a im­por­tân­cia de fa­ci­li­tar a na­tu­ra­li­za­ção de pes­so­as apátridas. “Ago­ra, o Bra­sil vi­rou exem­plo pa­ra ou­tros países. Mi­nha me­ta sim­ples­men­te é le­var es­sa lei da­qui pa­ra o mun­do in­tei­ro”, contou. Em 2016, se­gun­do le­van­ta­men­to da ONU, cer­ca de 60 mil pes­so­as apá­tri­das que vi­vi­am em 31 paí­ses ad­qui­ri­ram nacionalidade.

 

CRI­SE DOS RE­FU­GI­A­DOS

 

A his­tó­ria das ir­mãs Maha faz lem­brar os âni­mos exal­ta­dos con­tra a pre­sen­ça de imi­gran­tes no país. Pen­san­do nis­so, o go­ver­no de Mi­nas Ge­rais ins­ti­tuiu o Co­mi­tê Es­ta­du­al de Aten­ção ao Mi­gran­te, Re­fu­gi­a­do e Apá­tri­da, En­fren­ta­men­to ao Trá­fi­co de Pes­so­as e Er­ra­di­ca­ção do Tra­ba­lho Es­cra­vo (Co­mi­tra­te), co­mo for­ma de ga­ran­tir açõ­es ur­gen­tes pa­ra aten­der à cres­cen­te de­man­da, prin­ci­pal­men­te de re­fu­gi­a­dos e imi­gran­tes em Minas. Es­tu­do fei­to a par­tir de uma pes­qui­sa com 376 imi­gran­tes tra­çou o per­fil de pes­so­as que bus­ca­ram Mi­nas pa­ra morar. Be­lo Ho­ri­zon­te é o mu­ni­cí­pio que con­cen­tra mais imi­gran­tes (36,9%), se­gui­do por Con­ta­gem (8%) e Uber­lân­dia (5,8%). O di­ag­nós­ti­co apon­ta pa­ra uma in­te­ri­o­ri­za­ção cres­cen­te do fe­nô­me­no, que tem am­pli­a­do sua ca­pi­la­ri­da­de no estado. Apro­xi­ma­da­men­te, 60% dos imi­gran­tes que mo­ram no es­ta­do são pro­ve­ni­en­tes de 10 países. Li­de­ram a lis­ta: Hai­ti (11,3%), Co­lôm­bia (8,2%), Por­tu­gal (7,2%), Chi­na (7,1%) e Itá­lia (7%). Pa­ra com­pi­lar os da­dos, fo­ram uti­li­za­dos da­dos do Cen­so do IBGE e do Co­mi­tê Na­ci­o­nal pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (Co­na­re), do Mi­nis­té­rio da Justiça.

O des­lo­ca­men­to for­ça­do pro­vo­ca­do por guer­ras e per­se­gui­çõ­es atin­ge ho­je o nú­me­ro re­cor­de de 65,3 mi­lhõ­es de pes­so­as, con­for­me re­la­tó­rio mais re­cen­te da Agên­cia das Na­çõ­es Uni­das pa­ra Re­fu­gi­a­dos (Ac­nur). Com 10.418 re­fu­gi­a­dos, in­clu­in­do re­as­sen­ta­dos, o Bra­sil res­pon­de por 0,016% dos acolhimentos. Em Mi­nas, se­gun­do o di­ag­nós­ti­co, há 183 re­fu­gi­a­dos e/ou so­li­ci­tan­tes de refúgio. Es­se nú­me­ro, en­tre­tan­to, po­de ser mai­or, uma vez que mui­tos en­tram no país de for­ma irregular. De acor­do com a pu­bli­ca­ção, a mai­o­ria dos re­fu­gi­a­dos (60,7%) que mo­ra em Mi­nas é pro­ve­ni­en­te da Sí­ria, on­de a guer­ra ci­vil já cau­sou a mor­te de mi­lha­res de pessoas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade