Publicidade

Estado de Minas

Após publicação de norma, 2 mil árvores serão cortadas em Belo Horizonte

PBH inicia planejamento para suprir espécimes espalhados pelas nove regionais que se enquadram nos parâmetros considerados de risco listados em regra publicada ontem


postado em 07/03/2018 06:00 / atualizado em 07/03/2018 07:53

Estufamento da calçada ao redor da árvore está entre os problemas listados para análise dos técnicos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
Estufamento da calçada ao redor da árvore está entre os problemas listados para análise dos técnicos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
A partir de hoje, os técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte deverão se pautar por 38 quesitos na hora de fazer uma análise em qualquer uma das cerca de 500 mil árvores da cidade. O objetivo é verificar se o exemplar tem ou não risco de queda, levando em consideração questões como cavidades, sinais de morte, rachaduras, presença de pragas, inclinação do tronco, efeitos colaterais em calçadas, entre outros (veja quadro). Já de início, 2 mil árvores que já têm um parecer com indicação de supressão serão reavaliadas dentro dos novos parâmetros para que possam ser cortadas. Um planejamento nesse sentido está sendo fechado entre a pasta e a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (Smobi). Os espécimes estão espalhados pelas nove regionais da capital mineira.  


Entre os 38 pontos, há questões ligadas diretamente à saúde da árvore e também a desdobramentos nos espaços públicos, além de situações do histórico de reclamações da vizinhança. Cinco itens são considerados prioritários, e caso qualquer um deles apareça, a árvore em questão deverá ser cortada obrigatoriamente. É o caso de estufamento na calçada acompanhado de inclinação do tronco no sentido oposto, desequilíbrio irreversível da copa, pragas que comprometam a estabilidade, como besouro metálico, presença de qualquer outro defeito que interfira no equilíbrio e obstrução total da calçada em conjunto com bloqueio, mesmo que parcial, de uma via de trânsito de veículos. Outros quatro pontos trazem a indicação preferencial de corte e, portanto, devem ser acompanhados de demais análises.

O objetivo da medida é tentar evitar tragédias, como a que matou o motorista Fábio Teixeira Mageste, em 2 de outubro. Na ocasião, uma tripla palmeira despencou sobre um táxi no cruzamento da Avenida João Pinheiro com a Rua dos Timbiras e matou o homem de 35 anos. Além disso, dados da Prefeitura de BH mostram que, em 2018, a média de queda de árvores na capital mineira é de 1,5 por dia, o que liga o alerta para o risco de novos desastres. O secretário de Meio Ambiente de BH, Mário Werneck, já havia adiantado a edição de uma Deliberação Normativa para trazer critérios padronizados na hora de se definir pela supressão das árvores, que foi publicada ontem no Diário Oficial do Município e por isso já está valendo na cidade. Conforme o documento, em cada uma das inspeções nos espécimes de BH deverão ser observados obrigatória e minunciosamente os itens relacionados na Deliberação Normativa.
As cavidades no tronco também serão observadas na vistoria(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
As cavidades no tronco também serão observadas na vistoria (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)


“Queremos explicitar o máximo possível quando a supressão é necessária. Alguns técnicos ficam até constrangidos de fazer um laudo de supressão, pois já vimos lugares em que de pessoas se acorrentam às árvores em reação ao procedimento. Nossa missão é proteger o arbóreo, mas também temos que proteger as pessoas que vivem embaixo dessas árvores. Temos que garantir o conforto, mas em primeiro lugar a segurança da população”, defendeu Afonso Fraga, diretor de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

O texto da Deliberação Normativa destaca 25 pontos relacionados diretamente às condições da árvore. Mas também devem ser levados em consideração outros sete quesitos antes de se determinar se um exemplar é passível de corte ou não: histórico de ocorrências, reclamações ou relatos de vizinhos, conflitos com outros elementos do espaço urbano, presença de plantas maiores ao redor da árvore em questão que obstruam a visão integral do colo, desenvolvimento do exemplar aquém do esperado para a espécie e o porte da árvore. De acordo com a Deliberação Normativa 92, existem ainda outros dois grupos de critérios, que totalizam 10 quesitos, que apontam para um corte preferencial ou obrigatório.

Todos esses aspectos vão permitir aos técnicos chegar a três conclusões: se a árvore está com as condições normais, alteradas ou é considerada senil ou morta. No primeiro caso, não haverá intervenção. No segundo, a planta pode ser mantida do mesmo jeito, podada ou cortada. No último caso ela será suprimida. Alguns dos problemas têm ligação direta com atitudes da população. Como, por exemplo, a colocação de aros nos troncos das árvores, o plantio de plantas ao redor do espécime, o excesso de rega, entre outros. Por isso, os moradores devem ter atenção e procurar entender como é a vida de cada uma delas. “A população poderia usar mais a secretaria como consultoria. Temos técnicos doutores aqui. É muito legal ter uma árvore e plantar na porta de casa, mas para plantar há uma gama de critérios que temos que obedecer”, disse Fraga. As informações podem ser obtidas nas próprias regionais, por meio do telefone 156, ou por meio da Ouvidoria do município.

Tocos deverão ser retirados preferencialmente no momento do corte(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
Tocos deverão ser retirados preferencialmente no momento do corte (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)


REPLANTIO Todas as árvores cortadas das ruas e calçadas de Belo Horizonte serão replantadas, com base na norma publicada ontem no DOM. Se possível, a nova muda será colocada no mesmo ponto. Se não, o local escolhido será o mais próximo possível do endereço do exemplar antigo. Conforme a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, esse replantio vai garantir o planejamento das espécies mais adequadas a cada ponto da cidade. “Tem uma legislação para o replantio com especificações mínimas. Vamos escolher a melhor espécie com melhor porte para o determinado lugar”, afirmou o diretor de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

“Em nosso sistema viário as árvores estão sofrendo, devido às raízes noveladas, ao sistema radicular que não consegue crescer porque não tem espaço, à interferência da rede elétrica, que força as podas além do necessário devido à interrupção no sistema elétrico. Hoje em dia, então, para plantar uma nova árvore tem-se que avaliar critérios para que ela sobreviva da melhor maneira possível”, completou.  Outra determinação é a retirada preferencial do toco da árvore que precisar de supressão no mesmo momento do corte. “Caso não seja possível a retirada integral do toco, esse deverá ser rebaixado, de tal forma a permitir a imediata recomposição do piso”, de acordo com a publicação. Um fator agravante ao risco associado ao exemplar em questão é a localização. Se estiver em um lugar de grande movimentação de pessoas, isso deve ser levado em conta.

 

DE OLHO NAS PLANTAS
Normas para vistorias, podas e cortes

Critérios para supressão obrigatória

1) Estufamento na calçada em apenas um dos lados ao redor da árvore quando não associado a outra causa não relacionada à própria árvore e se acompanhada de inclinação do tronco no sentido oposto
2) Desequilíbrio irreversível da copa que não possa ser mitigado
3) Pragas que comprometam a estabilidade das árvores, como o besouro metálico
4) Presença de outros problemas e defeitos que comprometam a estabilidade
5) Obstrução total de calçada pela árvore, quando estiver acompanhada, mesmo que parcialmente, de bloqueio da via de trânsito de veículos, ou esteja ligada a interferências estruturais no imóvel, ou ainda à existência de solicitação para a solução de algum desses problemas.

Critérios que devem ser considerados indicar preferencialmente a supressão

1) Presença de corpos de frutificação de fungo na base do tronco, colo ou raízes superficiais
2) Presença de cupins xilófagos na base do tronco ou na raiz
3) Rachaduras no colo ou tronco, principalmente se forem transversais em relação às fibras
4) Descalçamento do sistema radicular
5) Inclinação do tronco maior do que 30° em relação a seu eixo vertical

Critérios obrigatórios a serem observados em todas as vistorias de árvores

1) Vigor da árvore, com atenção especial ao amarelecimento de folhas, desfolha, quebra expressiva de galhos e descolamento de casca, entre outros.
2) Sinais de senilidade ou morte, como a presença de grande quantidade de galhos mortos
3) Possíveis danos ao sistema radicular ou colo, como podas e outras agressões. Esta situação ocorre, por exemplo, quando são feitas obras de canalização ou de rede de gás e parte da raiz é cortada.
4) Raízes enoveladas. Quando a raiz da árvore não consegue espaço para crescer e se torna uma espécie de novelo que prejudica a sustentação.
5) Descalçamento do sistema radicular com perda de solo. Ocorre, por exemplo, quando uma tubulação estoura próximo à raiz e o solo é carreado. Assim a raiz fica descalçada.
6) Estrangulamento do sistema radicular ou colo. Ocorre quando estruturas metálicas, como aros, são colocadas no entorno da árvore. Ela cresce mais que a estrutura ou não consegue rompê-la e fica estrangulada.
7) Soterramento do colo. Esta situação ocorre quando moradores fazem jardineiras no entorno do colo, que é a base da árvore, e a enchem de terra ou entulho. Isso pode apodrecer o colo.
8) Elevação do solo, principalmente se for verificada inclinação do tronco no sentido oposto
9) Inclinação ou deformação no tronco
10) Rachaduras no colo ou tronco, com atenção especial para as que forem transversais em relação às fibras
11) Presença de fungos xilófagos no colo ou sistema radicular. O fungo se alimenta da madeira e trás perda na estrutura
12) Presença de cupins xilófagos, que também se alimentam da madeira
13) Presença de larvas de madeira
14) Presença de formigas
15) Presença de parasitas que possam indicar a existência de cavidades nas árvores
16) Presença de casa de abelhas nativas, que também pode indicar cavidade
17) Infestação severa de erva-de-passarinho
18) Outras pragas e doenças que possam comprometer a estrutura ou a sanidade das árvores
19) Cavidades de origens diversas
20) Casca inclusa provocada por galhos bifurcados em ângulo agudo
21) Estufamento de casca
22) Copa assimétrica, principalmente junto com outros elementos que comprometam a estrutura
23) Brotação da base do tronco. Dependendo do crescimento do broto, acaba se tornando um tronco secundário que pode causar instabilidade
24) Volume e posição de galhos epicórmicos
25) Confinamento do sistema radicular. Ocorre quando uma folheira é feita no entorno da árvore. Com isso, ela não consegue se desenvolver e fica estrangulada em um pequeno espaço, o que provoca instabilidade.

Critérios que também podem influenciar na tomada de decisão

1) Histórico de ocorrências com a árvore ou com exemplares da mesma espécie existentes à sua volta
2) Relatos diretos de vizinhos ou em solicitações à PBH
3) Ocorrência de conflitos com outros elementos do espaço urbano
4) Presença de plantas maiores ao redor da árvore, causando obstrução à visão integral de seu colo
5) Ocorrência de regas constantes em outras plantas ao redor da árvore, que podem ocasionar em podridão em seu colo
6) Nível de desenvolvimento da árvore aquém do esperado para a espécie
7) O porte e a espécie da árvore

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade