Publicidade

Estado de Minas

Luta pela vida: bebê abandonado por mãe adolescente em matagal segue internado no Sul

Com risco de morrer, menino passou por transfusão de sangue e seu estado estabilizou. Equipe médica de hospital está empenhada nos cuidados do recém-nascido em sua corrida pela vida


postado em 04/03/2018 18:03

Recém-nascido segue internado em estado grave no Hospital Alzira Velano(foto: Reprodução/Hospital Alzira Velano)
Recém-nascido segue internado em estado grave no Hospital Alzira Velano (foto: Reprodução/Hospital Alzira Velano)
O recém-nascido que foi abandonado em um matagal no Sul de Minas segue lutando pela vida. Internado na UTI pediátrica do Hospital Universitário Alzira Velano, em Alfenas, o menino passou por uma transfusão de sangue e, apesar de correr risco de morrer, seu estado estabilizou. O caso ocorreu em Paraguaçu, cidade de pouco mais de 20 mil habitantes, a 362 quilômetros da capital.

O resgate da criança, no fim da manhã da quinta-feira, foi dramático e as imagens ganharam as redes sociais. Quando o sargento Antônio Carlos Anibal chegou ao matagal, ela já apresentava dificuldades para respirar. O militar então realiza rápidas massagens e emocionado pede para que o menino reaja: “respira neném... respira...”,  Assim que o recém-nascido reage, ele foi enrolado numa toalha e o policial rapidamente entrou na viatura e o levou ao pronto-socorro local.

Debilitado, já que havia sido abandonado pela mãe na quarta-feira, com problemas respiratórios e ferimentos pelo corpo causados por picadas de insetos, o menino foi levado em estado grave para a unidade hospitalar de Alfenas. A mãe, uma adolescente de 15 anos, foi localizada pela polícia e também precisou ser levada para o hospital para atendimento ginecológico.
Ela relatou aos PMs que não sabia que estava grávida e que, na madrugada da quarta-feira, acabou tendo um parto espontâneo. Assustada, ela abandonou o filho sobre uma telha no terreno baldio, escondido pela mata, no bairro Santa Terezinha, com medo da reação de seus pais.

Acredita-se que a criança, sem qualquer vestimenta, sobreviveu no local por cerca de 30 horas, desde que foi abandonada. Vizinhos do terreno disseram que escutaram o choro, mas pensando que se tratava de gatos não se preocupara. Até que no fim da manhã da quinta-feira, uma moradora, diante da insistência do choro do recém-nascido se aproximou do matagal e, ao perceber os pés do menino, ligou para a Polícia Militar, que rapidamente chegou ao local.

A equipe médica do Hospital Alzira Velano tem se empenhado nos cuidados ao recém-nascido, cuja história emocionou a todos na instituição de saúde. O menino tem sido chamado de guerreio, por sua luta pela vida. A mãe da criança e seus familiares estiveram neste domingo na UTI pediátrica visitando a criança. Arrependida por seu ato impensado, a adolescente tem se emocionado ao ver o drama do filho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade