Publicidade

Estado de Minas

Polícia Civil faz operações e tira 14 criminosos das ruas de Contagem

Na operação Natal Seguro ladrões que atacavam motoristas de aplicativos foram presos. Também envolvidos em assassinatos na cidade estão atrás das grades


postado em 20/12/2017 17:42 / atualizado em 20/12/2017 22:21

Delegados que comandaram operação em Contagem deram detalhes sobre criminosos(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Delegados que comandaram operação em Contagem deram detalhes sobre criminosos (foto: Polícia Civil/Divulgação)
Assaltantes, traficantes e assassinos. Esses são alguns dos perfis dos 14 presos na Operação Natal Seguro, realizada em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, por agentes da Polícia Civil. Dezenas de policiais participaram de ações durante a semana, visando cumprir mandados de prisão de bandidos identificados como autores de crimes graves na cidade. O objetivo da operação é dar tranquilidade à população nas datas festivas de fim de ano, tirando das ruas criminosos reincidentes, que estavam foragidos.

Entre as prisões, está a de Jeferson Anísio da Silva, que, com um grupo de adolescentes, espalhava medo entre motoristas de serviços de aplicativos que atuam em Contagem. Os bandidos rendiam os condutores de aplicativos e, sob forte ameaça, os obrigavam a ir para as suas casas. No local, as vítimas eram amordaçadas junto com seus familiares. Os bandidos então faziam uma limpa no imóvel, levando objetos de valor.

Não diferente, outra quadrilha que foi tirada de circulação, era integrada por Lucas Souza Silva, de 19 anos, Leandro dos Santos, de 35, Luciano Raimundo Rodrigues, de 47, e Guilherme Augusto Pereira Alves, de 19. O quarteto é suspeito de atacar motoristas de aplicativos nos dias 16 e 17 últimos. Já foram identificados os roubos a condutores de um Gol, um Uno e um Fox. Eles solicitavam o serviço e o que estava no banco de trás imobilizava o motorista com uma chave de pescoço.

Os agentes da Polícia Civil cumpriram mandados de prisão preventiva por homicídio contra os irmãos Johnny Henrique do Carmo Silva, de 25 anos, e Edson do Carmo Silva, de 30. Eles teriam participado do assassinato de Luiz da Conceição Ribeiro, de 68, e ferido o filho da vítima Lenidilson Santana Ribeiro, de 34. Os crimes ocorreram em 3 de março, no Bairro Nova Contagem. De acordo com as investigações, a motivação do homicídio e a tentativa contra pai e filho seriam por desavenças relacionadas ao tráfico de drogas.

Homicídios motivados por tráfico de drogas


Foi também cumprido mandado de prisão contra Edson por condenação de outro crime julgado em 2ª instância. Ele foi condenado a oito anos, 10 meses e 20 dias de reclusão pela autoria do assassinato de Robson Vieira Diolino, de 25 anos, em 10 de abril deste ano, no Bairro Retiro, em Contagem. Robson foi morto a facadas depois de discutir com o autor.

Entre os 14 presos estão homicidas, ladrões e traficantes(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Entre os 14 presos estão homicidas, ladrões e traficantes (foto: Polícia Civil/Divulgação)
Também, por envolvimento em crime de homicídio, foi preso Wolney Pacheco da Silva, de 22. Investigações apontam que ele teria participação nas mortes de Matheus Gomes, de18, e Lucas Djean Godim Ribeiro, de17, na noite de 24 de outubro de 2016. Em uma motocicleta, junto com um comparsa, Wolney executaram a tiros da dupla.

A motivação para o crime seria desavenças envolvendo o tráfico de drogas na região. De acordo com os levantamentos da Polícia Civil, o alvo era Mateus, que venderia entorpecentes no Bairro Petrolândia, desagradando integrantes do Aglomerado Morro Vermelho. O outro suspeito de cometer o crime, Keveny Hernique Andrade da Silva, também foi assassinado algum tempo depois no mesmo bairro.

Na lista de presos, ainda estão Michael Douglas Vieira Cardoso, de 22, por tráfico de drogas; Romário Shueng Alves, de 28, e Alex Henrique da Silva, de 34, ambos por furto; Ricardo Henrique Andrade, de 32, Wederson do Nascimento Batista, de 35, e Alexandre Cerpa Moreira, de 26, todos por roubo; Alex Rocha Gonçalves, de 24, por porte de arma; e Pablo Diego de Souza, de 22, devido a estupro de vulnerável. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade