Publicidade

Estado de Minas

Petiscos e histórias para viagem em Santo Antônio do Leite e em Chapada

Em Santo Antônio do Leite, experimente um pastel de angu com recheios diferentes. Em Chapada, aproveite a cachoeira e reserve tempo para degustar um famoso torresmo


postado em 25/04/2014 06:00 / atualizado em 25/04/2014 07:17

(foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)
(foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)

Coisa boa é voltar de uma viagem com o porta-malas repleto de compras, não é verdade? E se você é do tipo que gosta de suvenires gastronômicos, então Minas Gerais é, de fato, o lugar. Sobretudo no interior, não há local que não ofereça boas cachaças e licores, doce caseiro, quitanda fresquinha, isso sem falar nas hortaliças colhidas no quintal do anfitrião, nas mudas de plantas, no fubá para fazer a broa igual à que você provou e por aí vai. Pois quando estiver em viagem por Ouro Preto, não se esqueça de reservar lugar no carro para diversas delícias garimpadas pela Expedição Sabores de Minas por lá.
    
Comecemos por Santo Antônio do Leite, agradável distrito a 25 quilômetros de Ouro Preto. Com origem na atividade agrícola e leiteira, o Leite, como é chamado pelos moradores, surpreende por abrigar grande diversidade cultural. Resultado da migração de estrangeiros na década de 1980, que encontraram no distrito o recanto de paz que precisavam para viver e dar início à produção artesanal de joias de prata. A estética diferenciada e o uso de pedras encontradas na região fizeram com que o lugar se tornasse uma referência no assunto, sendo o ofício, até hoje, fonte de renda para muitos moradores. Para conhecer o trabalho desses artistas, vale procurar a Arte Leite, associação que reúne 15 artesãos do distrito.
    
Mas essa é outra história. O fato que aqui interessa é que o Leite ainda hoje atrai forasteiros, sejam aqueles que querem o lugar como um pouso para os finais de semana ou os que resolveram transformá-lo em morada. Esse é o caso de Bruslont Barbosa Sacramento, que há seis meses saiu de Amarantina para trabalhar com a produção de pastel de angu em Santo Antônio do Leite. O salgado, cuja história remonta ao período colonial, é bastante famoso na Região Central, principalmente nos municípios de Itabirito e Conceição do Mato Dentro, que “brigam” por sua autoria.

    

Bruslont recheia os pastéis com couve, abóbora, carne com jiló e até frango com quiabo (foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Bruslont recheia os pastéis com couve, abóbora, carne com jiló e até frango com quiabo (foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Mas o que surpreende nos pastéis de Bruslont, além da massa crocante, são os recheios, que fogem do usual. Entre as opções, há couve, abóbora, carne com jiló e até frango com quiabo. “Pensamos no que gostávamos de comer com angu e chegamos a esses recheios”, conta. Depois de preparados, os pastéis são congelados e vendidos de porta em porta em endereços da região, como restaurantes e pousadas. O salgado também pode ser encomendado pelos viajantes, basta entrar em contato.
    
Aproveite, na passagem pelo Leite, para conhecer a Igreja Matriz de Santo Antônio, que conta com pinturas de Honório Esteves, famoso pintor nascido no distrito em 1860. Localizado a mil metros de altitude, o distrito também oferece cachoeiras e mirantes, de onde se tem vista panorâmica das belezas da região.     

Segredo é o ingrediente Do Leite, partimos para Chapada, sub-distrito próximo a Lavras Novas. O local é um sossego, com poucas casas e praticamente nenhum movimento. Tranquilidade que fascinou o aposentado José Loreto há 22 anos, quando adquiriu uma casa em Chapada para passar os finais de semana. Com o passar do tempo, a estada foi ficando cada vez mais frequente e a casa tornou-se também espaço para trabalho. É lá que prepara o torresmo considerado por muitos como o melhor do Brasil, além de conservas e licores que levam a marca Di Loreto.

Sequinho, crocante e com tempero suave, o torresmo se diferencia por seu corte fino, que faz com que a iguaria, depois de frita, fique parecida a um camarão. “Não há mistérios. O segredo é o ingrediente, que deve ser de qualidade”, explica. No momento, José Loreto está às voltas com a construção de uma cozinha industrial na cidade, onde vai poder aumentar sua produção. Por enquanto, as iguarias podem ser compradas por encomenda, em sua residência em Ouro Preto ou em Chapada. Em visita ao lugarejo, conheça a Capela Nossa Senhora de Santana, de 1883, e a Cachoeira do Castelinho, a um quilômetro da praça.

Serviço

Como chegar


Santo Antônio do Leite


Saindo de Ouro Preto, seguir até a entrada de Cachoeira do Campo. Entrar à esquerda, seguindo as indicações, e percorrer cinco quilômetros na MG-440 até chegar ao distrito.

Chapada


Saindo de Ouro Preto, seguir em direção ao Bairro Saramenha. Pegar a MG-356 e seguir por oito quilômetros até a entrada do distrito. Na foto, Capela de Santana

De ônibus


A empresa Transcotta é a que faz os trajetos entre Ouro Preto e os distritos. Os horários podem ser conferidos no site www.ouropreto.mg.gov.br/portaldoturismo
(31) 3551-2385

O aposentado José Loreto apaixonou-se pela tranquila Chapada, sub-distrito de Ouro Preto e descobriu, na arte de fazer torresmo com matéria-prima de qualidade, uma boa fonte de renda(foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)
O aposentado José Loreto apaixonou-se pela tranquila Chapada, sub-distrito de Ouro Preto e descobriu, na arte de fazer torresmo com matéria-prima de qualidade, uma boa fonte de renda (foto: Fotos: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Onde ficar

Santo Antônio do Leite
Mirante do Café

 Pacote de sexta a domingo a partir de R$ 680/casal/pensão completa

 (31) 3335-8478/(31) 9238-4079/(31) 9238-4900

 www.mirantedocafe.com.br

Chapada


Pousada Pedra do Macaco

 Diária a partir de R$ 190/casal/café-da-manhã

 (31) 8861-6917

 www.pousadapedradomacaco.com.br

Onde comprar

Pastel de angu
Bruslont Barbosa

(31) 8642-0255   




Torresmo do Loreto

*Receita fornecida por José Loreto, de Chapada: (31) 3551-1437/(31) 9661-1752

Ingredientes


2kg de toucinho

Gordura ou óleo de soja

Tempero caseiro a gosto

como fazer

Cortar o toucinho em tiras de mais ou menos dois centímetros de largura. Temperar. Aquecer um pouco de gordura ou óleo em uma panela, pôr o toucinho temperado e mexer sempre para não agarrar. Vai dar água na panela, mas ela vai desaparecer e ficará só a gordura. Quando a pele começar a pururucar, desligar o fogo e deixar esfriar. Pôr o torresmo novamente na panela, com a gordura fria. Levar a panela ao fogo e voltar a mexer até dourar e ficar torradinha, mas com atenção para não queimar. Retirar cada um com uma escumadeira e deixar escorrer. Deixar esfriar e servir.




Publicidade