Publicidade

Estado de Minas

Manifestantes chegam ao Centro de BH e complicam o trânsito na região

Integrantes de movimentos sociais fecham a Avenida Afonso Pena em direção ao Bairro Mangabeiras, em frente a Prefeitura de Belo Horizonte


postado em 28/11/2013 14:35 / atualizado em 28/11/2013 14:52

Integrantes de movimentos sociais fazem passeata no Centro de BH(foto: Renata Stuart/EM/D.A.Press)
Integrantes de movimentos sociais fazem passeata no Centro de BH (foto: Renata Stuart/EM/D.A.Press)

Integrantes de movimentos sociais que fizeram uma passeata por ruas e avenidas de Belo Horizonte na manhã desta quinta-feira, chegaram em frente a Prefeitura de Belo Horizonte. Com bandeiras e carro de som, os manifestantes fecham a Avenida Afonso Pena, o que deixa várias vias do Centro da capital com trânsito congestionado.

De acordo com a BHTrans, aproximadamente 300 manifestantes participam do protesto. Eles chegaram a fechar os dois sentidos da Avenida Afonso Pena, porém, às 14h31, a pista em direção a Rodoviária foi liberado. Mesmo assim, há retenção na Avenida Amazonas, Contorno com Viaduto Leste, Avenida dos Andradas, no cruzamento entre as ruas Bahia e Caetés e na Avenida Bias Fortes com Espírito Santo.

Os membros das ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória, que ficam na Granja Werneck, Região Norte de Belo Horizonte, querem pressionar a PBH para participar da mesa de negociações com o governador Antonio Anastasia para discutir a situação das famílias que vivem nos locais.

O grupo chegou a fechar os cruzamentos da Praça Sete(foto: Guilherme Paranaíba/EM/D.A.Press)
O grupo chegou a fechar os cruzamentos da Praça Sete (foto: Guilherme Paranaíba/EM/D.A.Press)
Os moradores se concentraram, durante a manhã, na Rua Atanásia dos Jardins, no Bairro Jaqueline. Em seguida saíram em passeata em direção ao Centro de BH. Durante a caminhada, eles fizeram uma parada de 15 minutos na praça que fica no cruzamento da Avenida Sebastião de Brito, no Bairro Dona Clara. Na altura do Hotel Ouro Minas, pelo menos 30 moradores da Ocupação William Rosa, de Contagem, na Grande BH, se uniu aos manifestantes.

Durante o trajeto pela Cristiano Machado, eles mantiveram uma ou duas faixas liberadas no sentido Centro, o que deixou o trânsito lento. Por volta das 11h15, as famílias estavam sobre o viaduto perto do túnel e entraram na Avenida Silviano Brandão. Por volta das 12h30, eles alcançaram a Praça Sete e fecharam os cruzamentos das avenidas Afonso Pena e Amazonas por alguns minutos. Em seguida, seguiram para a porta da PBH.

Servidores públicos também fizeram um protesto na MG-010, no Bairro Serra Verde(foto: Rita de Cássia)
Servidores públicos também fizeram um protesto na MG-010, no Bairro Serra Verde (foto: Rita de Cássia)


Outras manifestações

Servidores estaduais fecharam a MG-010 no fim da manhã, no sentido Confins/Belo Horizonte. Ele queimaram pneus para impedir a passagens de veículos. De acordo com a assessoria do Sindicato dos Servidores da Polícia do Estado de Minas Gerais (Sindipol), que participa do protesto, o grupo repudia a possibilidade de extinção do Fundo de Previdência do Estado de Minas Gerais (FUNPEMG), que está para ser votada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O fundo é a parte do Regime Próprio de Previdência Social do Estado de Minas Gerais que assegura, desde o início de 2013, as aposentadorias e as pensões dos servidores públicos estaduais efetivados após 31 de dezembro de 2001.

Trabalhadores da construção civil também estão mobilizados em plena campanha salarial 2013/2014. Nesse ano a campanha salarial é unificada e conta com a participação dos sindicatos ligados à Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Minas Gerais, Feticom-MG. Alguns funcionários de uma obra na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fecharam a Avenida Presidente Antônio Carlos em frente ao câmpus, conforme informou o Batalhão de Trânsito da PM.

Por volta de 7h30, metalúrgicos de Belo Horizonte, Contagem e Região fecharam os dois sentidos da Avenida Olinto Meireles, próximo ao viaduto da Mannesmann, no Barreiro. Os trabalhadores colocaram fogo em pneus e em pedaços de madeira para fechar a via. “Vamos parar várias fábricas e fechar rodovias para pressionar as negociações", disse o diretor do sindicato local, Geraldo Valgas. Em campanha salarial há três meses, a categoria reivindica aumento salarial de 9% sem o bancos de horas, manutenção da convenção coletiva, entre outros.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade