Publicidade

Estado de Minas

Corretor de imóveis é preso no Bairro Anchieta por suspeita de pedofilia

O homem era alvo de uma investigação do MP há sete meses. Hoje foi preso em seu apartamento na Região Centro-Sul de BH onde foram apreendidos CDs e material pornográfico. Ele é suspeito de fazer parte de uma rede de pedofilia pela internet


postado em 12/01/2012 08:58 / atualizado em 12/01/2012 15:15

Um corretor de imóveis de 35 anos foi preso na manhã desta quinta-feira por suspeita de pedofilia. O homem era alvo de uma investigação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) há sete meses e hoje a Polícia Militar (PM) foi até a casa dele na Rua Pium-i , no Bairro Anchieta, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, para cumprir mandado de prisão. O homem informou aos policiais que, além de trabalhar, cursa o 9º período de direito em uma faculdade particular da capital.

Segundo o soldado Rodrigo Raimundo da Silva, do 13º Batalhão da PM, depois de uma denúncia o serviço de inteligência da polícia começou a apurar casos de pedofilia em que o corretor estaria envolvido. A PM repassou a informação para o MPMG que iniciou investigação por meio da Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos.

Conforme o Silva, a promotoria conseguiu vestígios de materiais pornográficos manipulados pelo corretor. Com todos os indícios, foi expedido mandado de prisão, busca e apreensão. No apartamento do corretor as equipes apreenderam CDs, DVDs e o computador dele. “Ele não negou o crime, porque as provas estavam lá, mas também não assumiu”, afirma o soldado. O suspeito foi encaminhado para a Delegacia Distrital Sul para prestar mais esclarecimentos.

Segundo o MPMG, o investigado confessou que passava as madrugadas conversando via chat com adolescentes, sendo que as investigações apontam que ele possuía diversos perfis em redes sociais, em cada um deles se fazendo passar por advogado, engenheiro civil e outros.

O investigado será transferido para uma penitenciária. A promotora de Justiça Vanessa Fusco informou que a pena para quem distribui pornografia infantil é de três a seis anos de reclusão e a de ter em depósito referido material é de um a quatro anos de reclusão.

Confira a reportagem da TV Alterosa


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade