Publicidade

Estado de Minas CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Ações em BH marcam início da campanha contra a exploração sexual


postado em 18/05/2011 11:58 / atualizado em 18/05/2011 12:15

Segundo a campanha, a flor simboliza a delicadeza e fragilidade de crianças e adolescentes(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Segundo a campanha, a flor simboliza a delicadeza e fragilidade de crianças e adolescentes (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


Quem passou na manhã desta quarta-feira pela Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte, foi surpreendido pela beleza das flores distribuídas durante o lançamento da campanha Faça bonito: proteja nossas crianças e adolescentes. Além de uma flor, símbolo da delicadeza, fragilidade das pessoas nessa faixa etária, também foram distribuídos marcadores de livros com o slogan.

A mobilização marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infantojuvenil, instituído pela Lei Federal 9.970/00. A ação é uma iniciativa da Associação Municipal de Assistência Social (Amas), por meio do Programa de Ações Integradas e referenciais de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil (Pair), e da Prefeitura de Belo Horizonte.

Confira a galeria de fotos do evento


A Praça da Savassi também foi palco de uma ação da campanha, desta vez organizada pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), onde 40 jovens da área de canto do projeto Valores de Minas, do governo do estado, cantaram “Que cada um cumpra com seu dever”, de Wilson Simonal. Eles também entregaram material educativo da campanha, da qual participam vários atletas, entre eles Joana Maranhão, da equipe de natação do Minas Tênis Clube. Aos 9 anos, ela foi vítima de abuso sexual pelo próprio treinador. Joana participa da campanha para tentar proteger outras crianças “É uma ferida que nunca cicatriza”, afirma.

Minas Gerais é estado com o maior número de denúncias de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes. A população pode informar as ocorrências às autoridades diretamente nos pontos da rede de apoio ou pelo disque-denúncia (0800 0311 119 ou Disque 100).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade