UAI
Publicidade

Estado de Minas Inverno'2022

Caminho atualizado

Zegna lançou coleção para a estação mais fria do ano, marcando o reposicionamento da marca e sua nova identidade visual sem abrir mão de sua história


23/01/2022 04:00 - atualizado 21/01/2022 16:13

Reoupa funcional, individual e confortável
A coleção reavalia como deve ser o estilo contemporâneo e estabelece três características principais: ser funcional, individual e confortável, mas não conformista (foto: Divulgação)


Com muito orgulho do caminho que traçou desde 1910 para chegar até aqui, a Zegna (Ermenegildo Zegna, que no reposicionamento e modernização da marca deixou de usar o primeiro nome de seu fundador) mantém firme seus valores, ideias e costumes, tanto é que foi o esse caminho que norteou as ações da marca, que se transformou no significante gráfico para o reposicionamento da Zegna e para a nova identidade visual. A estrada Zegna nasce nas montanhas e cruza o Oasi Zegna para chegar ao território natural no Piemonte, Norte da Itália. Conhecida como 232, essa estrada é a inspiração da label, pois define seu caminho e está presente em tudo o que fazem desde sua criação, há 112 anos. “Ele ecoa o nosso fundador, verdade essencial da esperança de tecer o tecido de um amanhã que pareça digno de nossos sonhos”, diz o diretor artístico, Alessandro Sartori.
 
Desfile
Zegna deixa a roupa do inverno com uma silhueta menos volumosa (foto: Divulgação)
 
 
Segundo Sartori, o caminho Zegna se desenrola através de uma mentalidade abrangente que se aglutina numa ideia precisa do guarda-roupa masculino, contextualizado no aqui e agora. A criação da coleção inverno’2022 começou há um ano, e a proposta foi redefinir a roupa masculina, estabelecendo uma nova linguagem orgânica, um repertório de novas formas e funções mesclando estética, ética e performance. Para ele, a roupa é um organismo vivo, um verdadeiro caminho que se desdobra, gira, cresce e se consolida com o passar do tempo. “Continuo olhando o mundo através das lentes de Zegna. A realidade em que vivemos hoje exige adaptação, o que pede que todos sejamos fluidos. Traduzir essa ideia em roupas significa construir uma linguagem de formas e texturas que crescem e se consolidam ao longo do tempo, de acordo com as necessidades do momento. Continuo explorando a noção do híbrido, porque há um progresso no descarte de categorias sóbrias”, diz Alessandro.
 
Coleção de inverno
A coleção reavalia como deve ser o estilo contemporâneo (foto: Divulgação)
 
 
A coleção reavalia como deve ser o estilo contemporâneo e estabelece três características principais: ser funcional, individual e confortável, mas não conformista. Para Zegna, a moda contemporânea deve anunciar uma ideia evoluída de formalidade que muda do ar livre para a vida dentro de casa. A estratificação e a fusão de formas e funções dão o tom. Casacos em forma de trapézio são usados sobre um forro de seda gravado, feito com uma técnca exclusiva desenvolvida pela marca; jaquetas em estilo esportivo foram feitas de lã; camisas ajustadas ao corpo foram feitas em couros finos e em cachmere, e podem ser usadas sozinhas ou sob blazers, pulôveres, suéteres grossos ou agasalhos mais pesados.
 
Roupa toda branca
Looks em camadas que misturam notas leves de sal e branco geada (foto: Divulgação)
 
 
O acolchoado dos agasalhos é feito em camadas, em uma nova técnica que deixa a peça mais leve, sem contudo perder a função principal, que é aquecer e proteger das baixas temperaturas, já que a marca foca em regiões de neve, como estações de esqui etc. Toda essa nova tecnologia utilizada na confeção Zegna deixa a roupa do inverno com uma silhueta menos volumosa, mais fluida e ajustada, mesmo com o uso de sobreposição de blusas e agasalhos. Casacos e jaquetas tabarro, jaquetas utilitárias, parcas, anoraques e pulôveres, calças que afunilam na bainha. Golas, bolsos e fechamentos apresentam detalhes sutis que trazem movimento para as extremidades, tornando a peça mais confortável. Formas e funções são destacadas por uma escolha de tecidos densos, modulados em uma cartela de cores orgânica. Nos tecidos, o uso da gabardine, scuba lã, seda tecnológica, denim de lã e o recém-criado Oasi Cashmere definem as texturas de looks em camadas que misturam notas leves de sal, branco geada e ardósia cinza com notas profundas de preto ébano e marrom mogno e toques de cor Zegna vicunha, vintage latão e quartzo berinjela. As cores sólidas são interrompidas por um tie-dye e jacquard de listra que representa o novo significante Zegna, e por motivos remendados que surgem em casacos grossos e em mantas no estilo poncho moderno. Bolsas acolchoadas e espaçosas, botas de mergulho e óculos de proteção dão o toque final.
 
A Zegna simboliza o artesanato e as 160 mãos que fabricaram a coleção. O caminho da inovação e evolução se afirma como o único que vale a pena percorrer. Para Zegna, o caminho é a sua estrada, made in Italy.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade