UAI
Publicidade

Estado de Minas Moda mexicana

Diversidade de cores e bordados

Muitas coisas são celebradas nesta edição da Semana da Moda México 2021. Não só o regresso às passarelas pessoalmente, após um ano


05/12/2021 04:00

Desfile
Lydia Lavin (foto: Fashion Week México/Divulgação.)

 
A Semana da Moda México 2021 começou acolhida pela infra-estrutura maia-colonial que caracteriza a capital do estado de Yucatan. Em outubro, as criações de Vero Díaz, Collectiva Concepción e Armando Takeda desfilaram em Mérida, como prelúdio das coleções que foram apresentadas a meio do mês na Cidade do México.
 
Após essas apresentações iniciais, foram preparadas ações para dar lugar às que seriam realizadas no centro do país, cujo principal objetivo foi valorizar e celebrar a moda, o design, bem como as indústrias criativas mexicanas.
 
Roupa azul
Alfredo Martinez (foto: Fashion Week México/Divulgação.)
 
 
A Semana da Moda no México é um evento bianual que tem lugar na Cidade do México para celebrar o melhor da moda mexicana. O local do evento muda com cada edição para apresentar a mais recente das novas coleções em locais icônicos da cidade. Durante o primeiro trimestre do ano são apresentadas as coleções outono-inverno, e no início do quarto trimestre as coleções primavera-verão.
 
A edição de 2021 da Semana da Moda no México coincidiu também com o 15º aniversário do evento. Com o desejo de crescer, inovar, apoiar e comunicar o talento mexicano, esse evento tem crescido e evoluído, mostrando o que tem sido feito no México para promover e gerar uma indústria que é sólida e constante.
 
Estampado
Pineda Covalin (foto: Fashion Week México/Divulgação.)
 

A Semana da Moda México 2021

A edição deste ano manteve uma capacidade limitada para que os convidados cumpram os protocolos de segurança e impeçam a propagação do COVID-19. Nesta edição da Semana da Moda no México foram apresentadas as coleções de Alexia Ulibarri, Alfredo Martínez, Carla Fernández, Cristeros, Daniela Villa, Francisco Cancino, Julia e Renata, Kris Goyri, Lorena Saravia, Lydia Lavin, Marino, Pineda Covalin, Pinka Magnolia e Vero Díaz.
 
É fácil ver por que os designers contemporâneos procuram evocar o artesanato tradicional mexicano e a arte popular por meio de suas coleções. Bordados de cores vivas e bordados intrincados refletem habilidades passadas de geração em geração, enquanto os próprios padrões carregam um significado muito além do design de impressão moderno. Na Semana da Moda Mercedes-Benz, na Cidade do México, os designers enfatizaram a natureza colaborativa de seu relacionamento com os artesãos locais, exibindo vestidos bordados e roupas com emblemas e motivos históricos.
 
Eram roupas criadas com técnicas modernas, mas impregnadas de tradições centenárias. A estilista Lydia Lavín, por exemplo, trabalhou com artesãos da comunidade Huichol, um grupo indígena da cordilheira mexicana Sierra Madre Ocidental, para criar vestidos enfeitados com bordados e miçangas.
A marca, lançada em 2004, cultivou parcerias com mais de 3.000 artesãos de 14 comunidades indígenas em todo o México.
 
“Ser capaz de entender a maneira de pensar dos artistas e todos os rituais, a importância de preservar as técnicas e mostrar ao mundo o que eles podem fazer é o mais importante”, disse Lavín.
A coleção de Sandra Weil incluía métodos tradicionais de Oaxaca, um estado mexicano conhecido por suas tradições têxteis, bordados a mão e tecidos feitos em teares de alça traseira. As peças bordadas incluíam representações da ave-do-paraíso, uma flor nativa do México.
 
A estilista não só buscou inspiração no México, mas trabalhou com artesãos com raízes na Venezuela, Colômbia, Argentina e Peru. “Acho que temos uma visão muito contemporânea sobre a herança tradicional do bordado”, disse Weil.
 
Weil trabalha com uma equipe de cerca de 16 pessoas a cada temporada, incluindo vários artesãos locais. “É muito gratificante retribuir à economia e à população local que trabalha conosco”, disse ela.
No mês passado, ela mostrou sua coleção em Paris pela primeira vez. "Acho que temos tantas coisas para dar ao resto do mundo que ainda não foram vistas no mundo da moda de luxo", disse ela. "Estou muito honrado em ser uma das pessoas que compartilham essas belas técnicas."
 
"No México, os artesãos indígenas têm uma longa história de colaboração, não apenas com designers de moda, mas também com criadores em geral", disse Tanya Melendez-Escalante, curadora sênior de educação e programas públicos do museu do Fashion Institute of Technology, de Nova York.
Segundo Melendez-Escalante, no início do século 20, após a Revolução Mexicana, o governo do país criou projetos públicos para mesclar a cultura pop com as artes plásticas. “Um bom exemplo é o trabalho dos muralistas mexicanos, que retrataram o México indígena em muitas de suas obras”, disse ela.
 
"Os designers de moda também participaram desse impulso. Havia designers como Ramón Valdiosera, que trabalhavam com artesãos, e muitos designers eram ávidos colecionadores de têxteis.Conhecido como o pai da cor ‘rosa mexicano’, Valdiosera não foi apenas um estilista, mas também um cartunista, autor e artista cuja obra se deliciava com a arte tradicional mexicana.
 
A casa de moda Pineda Covalin deu continuidade a esse clima de celebração com seu desfile na Fashion Week Mexico, centrado em emblemas e designs mexicanos. “O objetivo principal tem sido promover a riqueza e a cultura mexicanas, não apenas no México, mas em todo o mundo”, disse o cofundador Ricardo Covalin.“Foi em 1996, quando criamos a marca. Na situação global do mundo, o México acaba de assinar um acordo de livre-comércio com a América do Norte. Os mexicanos queriam tudo de fora e esqueceram nossas raízes, nossa herança. E então começamos nossa marca, ter orgulho de quem somos como mexicanos. "
 
A coleção primavera 2020 da marca incorporou estampas astecas e maias, com um motivo de caveira recorrente como uma referência ao Día de los Muertos (Dia dos Mortos). A conclusão do show, por sua vez, baseou-se no ritual asteca Fuego Nuevo (Nova Cerimônia do Fogo).
 
O público foi direcionado para acender velas, enquanto todos os artesãos e designers que trabalharam na coleção caminharam até a passarela para fazer uma reverência. "Foi importante para todos eles saírem e, em seguida, acender o novo fogo", disse Covalin. "No antigo ritual, você queima as coisas velhas e, em seguida, inicia uma pequena fogueira e a compartilha com todas as pessoas."
A incorporação do design indígena mexicano pela indústria da moda gerou polêmica no passado: por exemplo, a coleção Resort 2020 de Carolina Herrera, que se inspirou nos bordados da comunidade Tenango de Doria de Hidalgo, bem como em xales associados a Saltillo, no estado de Coahuila. O Ministério da Cultura do México enviou uma carta a Herrera e ao diretor criativo Wes Gordon pedindo que "explicassem publicamente em que base (a marca) decidiu fazer uso desses elementos culturais, cujas origens estão documentadas, e como isso beneficia as comunidades".
 
Gordon teria respondido que a coleção "presta homenagem à riqueza da cultura mexicana". Outros dizem que foi um caso claro de apropriação cultural desnecessária, dada a disposição histórica dos artesãos mexicanos de compartilharem seus conhecimentos.
Melendez-Escalante enfatizou que designers que colaboram com artesãos indígenas devem respeitar sua contribuição criativa. “A criatividade deles faz parte da coleção e eles são remunerados como jogadores iguais”, disse ela.
 
Mas algumas colaborações podem ser exploradoras, disse Melendez-Escalante, com designers usando artesãos "como mão de obra para produzir bordados ou outras técnicas para sua coleção". Nem todos os artesãos indígenas são devidamente compensados, acrescentou ela. "Muitos artesãos precisam equilibrar a vida no campo com a produção de seu trabalho; portanto, o pagamento justo é de fundamental importância para eles."
 
Na opinião de Melendez-Escalante, a maioria dos designers mexicanos não busca explorar os artesãos com quem trabalham. "O artesanato tradicional faz parte do patrimônio artístico e cultural do México", disse ela. "Acho que os designers estão constantemente procurando honrar nosso passado e presente, e essas colaborações são principalmente sobre o orgulho de quem somos."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade