UAI
Publicidade

Estado de Minas Vida integral

Ioga contra estresse (I)

"Nosso cérebro e nosso sistema nervoso são projetados para lidar com pequenos surtos de estresse"


14/11/2021 04:00

Recebemos este artigo de Daniela Mattos, e abrimos espaço para expor aqui tema que é tão abordado neste espaço. Quando se trata de se cuidar para não sair do eixo, tanto a neurociência quanto a espiritualidade indicam a prática para o equilíbrio mental.
 
“Está cada vez mais difícil manter a tranquilidade diante dos desafios de conciliar longas jornadas profissionais, acadêmicas e familiares. Esse é um ponto de vista quase unânime na vida moderna. Muitas pessoas apontam a necessidade de ‘desacelerar o ritmo’ como um desejo que encabeça uma extensa lista de bem-estar.
 
Mais do que isso. Entramos em uma espécie de sistema automático e chegamos ao ponto de encarar o estresse como uma consequência pontual e, até mesmo, natural desse estilo de vida. Não é saudável viver assim. Quantas vezes deixamos passar incômodos físicos e emocionais, achando que era apenas resultado de uma rotina multidisciplinar? Essa é uma visão equivocada. O nosso corpo dá sinais quando algo no nosso organismo está fora do comum e, por nosso sistema nervoso estar sempre acelerado, a ansiedade acaba indo muito além do que seria um alerta saudável.
 
Segundo a neurociência, nosso cérebro e o nosso sistema nervoso são projetados para lidar com pequenos surtos de estresse. Já a espiritualidade vê esses desafios como oportunidade de aprendizado. Estamos em um processo de desapego de maus hábitos e nos adaptando à chegada de uma nova era.
Não é preciso escolher um lado. Não existe certo ou errado. Aprendi com a prática do kundalini ioga que a verdade nada mais é que um ponto único no centro de uma esfera e, dependendo de onde a encaramos, podemos ver pontos de vista diferentes. A ciência e a espiritualidade são lados opostos de uma mesma moeda, e em algum momento elas se entrelaçam e, juntas, nos ajudam a entender situações adversas e a encarar o ‘desconhecido’.
 
Como a neurociência explica o estresse? Sob a perspectiva científica, entende-se que determinados níveis de estresse podem até ter benefícios, como quando destravam mecanismos que aumentam a aprendizagem, por exemplo. Estar em constante alerta gera fadiga que, por sua vez, drena o nosso sangue para as partes vitais. Com isso, o sistema imunológico cai, trazendo vários malefícios para a saúde. Esse sistema de alerta impede a capacidade de pensamento a longo prazo e faz com que as pessoas se tornem cada vez mais imediatistas e incapazes de pensar nas melhores escolhas para o futuro.”
 
Mas existe uma explicação do ponto de vista espiritual para essa carga de estresse elevada, e falaremos dela na próxima coluna.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade