Publicidade

Estado de Minas TricÔ

Mesma cor, várias texturas

O desejo de trabalhar tramas diferentes numa mesma cartela de cores levou a mineira Coven a mostrar as várias facetas do tricô


20/06/2021 04:00


Monocromático, sim. Mas não sem graça. Os looks de cores únicas, que são a grande aposta da Coven para esta temporada, chamam a atenção pelas múltiplas texturas. A marca explora tramas e efeitos diferentes no tricô, o que resulta em uma interessante mistura. “A coleção tem muitas peças lisas, mas que são extremamente elaboradas e ricas em texturas”, aponta a diretora criativa Liliane Rebehy.

A ideia do monocromático vem de um desejo inconsciente de Liliane e se conecta com o que as mulheres buscam nestes tempos. “Estamos vivendo um momento em que o produto precisa ter atemporalidade, porque as pessoas querem algo duradouro no guarda-roupa. Uma peça de cor única vai ser mais versátil e enjoar menos”, pontua.

A coleção investe bastante em tons neutros, dando muita atenção ao preto e ao branco, mas não deixa de ter cores que funcionam como pontos de luz (aqui se incluem principalmente rosa e laranja). “Buscamos o equilíbrio entre o neutro e o colorido, que é o que todos querem. Tudo em excesso, no fim, não tem um bom resultado”, comenta a diretora criativa.

Todo em marrom, um dos looks une três peças com tramas diferentes. A jaqueta acolchoada tem modelagem esportiva e acabamento em matelassê, enquanto a blusa, sem manga e de gola alta, exibe um tricô telado. A calça é lisa, mas se transforma com o acessório, no mesmo tecido, que promete ser must have: o cinto-pochete removível, que entrega praticidade e estilo. A sugestão é usá-lo de lado.

Observe a produção com vestido longo e bolsa. Roupa e acessório carregam o mesmo tecido (fio de viscose) e a mesma cor (azul), mas as texturas são completamente diferentes. Fluido, macio e levemente transparente, o vestido se movimenta com detalhes drapeados. Nas alças, bolas revestidas manualmente com tricô. A bolsa, desenvolvida pela designer têxtil Ana Vaz, traz um trançado.

Liliane destaca também o trabalho em um conjunto laranja feito com fio de linho que vem da Itália e resulta em um tricô leve, bem apropriado para o nosso clima. A saia ganha textura com o uso de vários pontos, alguns tubulares, outros sanfonados, que se intercalam e dão um efeito franzido. A marca explora a mesma técnica nos punhos da blusa de mangas compridas e amplas.

É interessante o jogo entre clássico e moderno no look de tricô inteiramente amarelo com saia e blusa. Os pontos, bem tradicionais, fazem Liliane se lembrar do início da marca, quando existia o preconceito de que tricô era careta. A ousadia, além da escolha da cor, se materializa em um detalhe da saia. “A modernidade está na fenda completamente arredondada, que quase dá a impressão de que falta um pedaço. Acho que é uma tendência supernova.”

A marca quebra o padrão de cores únicas com estampas construídas através da técnica de monotipia, que inclusive dá nome à coleção. Monotipia é uma técnica de impressão que, no tecido, fica com aparência de carimbo. “Esse processo artístico é muito interessante, porque o resultado surpreende. Você vai colocando tintas de cores diferentes, entre dois vidros, e não tem controle do que vai sair.”

FLOR 
Uma das estampas foi construída a partir da representação de uma flor, que, pela técnica, fica com formas abstratas. Ela aparece, por exemplo, em um cardigã em jacquard de tricô com cava e mangas amplas, que entregam aconchego. “Estamos muito atentos, desde que a pandemia começou, para conseguir fazer um produto desejável. Não é para ser roupa de loungewear, mas o conforto tem que estar presente.” A peça, que mistura preto, branco e rosa, tem barra assimétrica e faixa para amarrar.

O casaco com toque felpudo é considerado uma das peças mais aconchegantes da coleção. “Como ele não é forrado, tem o toque gostoso do tricô direto no corpo”, descreve Liliane. Nele, vemos outra estampa criada a partir da monotipia, que combina preto, branco e lilás. Destaque para o capuz com acabamento em tricô canelado.

O quadriculado assume o lugar de estampa gráfica da coleção. Em um vestido mídi, une-se o tricô rendado verde bem escuro e o liso branco. A peça tem faixa para ajustar a cintura. Já o casaco com modelagem de quimono, amplo e alongado, é todo quadriculado em preto e rosa.

Com lojas em Belo Horizonte e São Paulo, além do e-commerce, a marca mineira fortaleceu ainda mais na pandemia seu propósito de criar roupas verdadeiramente únicas e relevantes. “Acredito que, neste momento, precisamos ter um trabalho autoral para o cliente dizer: não posso abrir mão desta marca, não vou encontrar ali na esquina algo parecido”, analisa Liliane.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade