Publicidade

Estado de Minas Arte final

Briefing


16/05/2021 04:00

MOVIMENTO PUBLICITÁRIO 
O mercado publicitário movimentou R$ 11,2 bilhões no primeiro trimestre de 2021. O valor é 1,2% menor do que no mesmo período do ano passado, considerando os mesmos meios e canais em ambos os períodos. As análises são da Kantar IBOPE Media, que indica a retração pelo impacto em setores mais afetados pelas medidas de contenção ao Covid-19, como turismo (-43%), bebidas (-27%) e automotivo (-27%). 

CRESCIMENTO 
Por outro lado, setores ligados ao dia a dia das pessoas cresceram em investimentos de janeiro a março. Os setores com maior aporte foram imobiliário (+53%), telecomunicações (43%) e eletros & informática ( 36%). Os negócios digitais (e-commerce, delivery, fintechs, vídeos sob demanda - VoD e mídias sociais) também apresentaram crescimento de 37% e as inserções em meios além da Internet, como TV e OOH, cresceram 41%. O estudo completo está no Inside Advertising da Kantar IBOPE Media, que avaliou oito meios de comunicação: jornal, cinema, revista, rádio, TV (aberta e por assinatura), Out of Home e Internet.

BARRADO 
O Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), a Defensoria Pública da União (DPU), a Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) e a Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES) entraram com uma ação civil pública para barrar a divulgação de publicidade da Fundação Renova. A entidade foi criada pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton - responsáveis pela tragédia de Mariana - para reparar os danos aos atingidos. Os órgãos contestam expressões como "Da reparação até aqui" e "Expedição Rio Doce". Para eles, tratam-se de "informações imprecisas, dúbias, incompletas ou equivocadas". 

DANOS MORAIS 
Na ação, os órgãos alegam que a Renova diz que "cinco anos depois, a vida de todos voltou ao normal", quando menos de 20% da reparação foi concluída. Neste período, a fundação investiu R$ 24,8 milhões em publicidade, segundo o MP. Os órgãos também pedem a condenação da Fundação Renova ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 56 milhões. 

DIREITO SOCIAL 
Em nota, a Renova afirmou que ações pagas de mídia são oriundas dos recursos administrativos da fundação, "que não são os destinados aos programas de reparação e compensação". Ainda segundo a fundação, "ter acesso às informações e aos dados da reparação é um direito de toda a sociedade e dever previsto na Cláusula 60 do TTAC". Em relação à ação, a Fundação Renova disse que se manifestará no prazo legal.

PELA VACINAÇÃO
Para auxiliar empresas a se posicionarem sobre a importância da vacinação, a United Minds (unitedmindsglobal.com ), divisão de consultoria da Weber Shandwick (webershandwick.com.br), lança o Guia de Incentivo Empresarial à Vacinação Contra a COVID-19. O documento apresenta orientações sobre como o setor privado deve atuar de forma complementar ao papel do governo, colaborando com a redução de desigualdades e a priorização do Sistema Único de Saúde, ao invés de buscar a privatização dos imunizantes. O Guia para o Incentivo Empresarial à Vacinação Contra a COVID-19 está disponível para download em: bit.ly/3dRl3SE

MÃES NAS REDES 
Levantamento da Knewin, empresa considera a maior PRTech da América Latina, analisou mais de 93.657 mil tuítes entre os dias 7 e 9 de maio. A análise foi feita via plataforma Knewin Social e o pico de menções ocorreu no domingo, Dia das Mães, com 56.139 tuítes. Durante o período analisado, o termo: "dia das mães" teve mais de 53 mil menções, em segundo, "presente" com mais de 7 mil tuítes. Quanto às hashtags, #diadasmães foi a mais usada, com 6.246 tuítes. 

QUEDA NA VEICULAÇÃO
Já nas outras mídias, houve uma queda de 13,12% no número de matérias publicadas. As grandes marcas do varejo optaram, este ano, por uma divulgação de posts pontuais relacionados ao tema, sem grandes divulgações de produtos, com um olhar mais voltado para o sentimento da maternidade e as relações entre mães e filhos. 

"BEM FELIZ"
A marca Piracanjuba recorre novamente ao conceito "Gostamos de fazer bem o que te faz bem" em seu novo comercial, que atração a cantora Ivete Sangalo. A campanha musical exalta momentos especiais nas rotinas das pessoas potencializando ações de carinho e cuidado. No refrão de Ivete Sangalo a mensagem "Tudo o que eu quero, o que eu sempre quis... é te fazer bem, te fazer bem feliz..." reforça que, nos tempos como os atuais, nosso desejo é estar perto de quem amamos, abraçar pessoas queridas e nos sentir amados. Tudo com cenas agradáveis, em tons suáveis. Enfim, um comercial na linha tradicional, mas de muito bom gosto.

MANDIOCA NA CERVEJA 
Um dos alimentos mais tradicionais da culinária brasileira, a mandioca ou aipim- dependendo da região do Brasil, ganhou nova utilização no país. Após inúmeros testes, a Ambev, em parceria com a Questtonó, consultoria de inovação e design, está produzindo cerveja com inclusão de mandioca entre seus ingredientes. A partir daí, foram criados quatro rótulos de bebidas regionais: Magnífica - do Maranhão, Nossa - de Pernambuco, Legítima - do Ceará e Esmera - de Goiás. Além da mandioca, o caju também está na mira da Ambev e já ganhou o rótulo regional: a Berrió - do Piauí. 

PREMIAÇÃO 
Para manter o ritmo de produção adequado, a companhia criou uma rede com cerca de 10 mil moradores de baixa renda desses estados para assegurar o cultivo dos ingredientes. Com isso, conseguiu movimentar a economia local, contribuindo com a redução da desigualdade social. Essa ação foi premiada no World Changing Ideas Awards, promovido pela Fast Company, uma publicação americana com foco em tecnologia, negócios e design na categoria Pandemic Response 2021. 

ALÉM DA EXPECTATIVA 
O Atlético bateu e já superou em mais de 25% a meta de 2021 para captação de patrocínios. O clube já conta com 13 marcas para a temporada. O Galo tem a empresa grega Betano, do ramo de apostas, como patrocínio máster, além da Unicesumar e o Cartão de Todos, que se uniram à Auto Truck, MRV e o banco BMG, que cedeu seu espaço máster para a chegada da Betano, estendendo seu contrato até 2026. O Atlético foi também o primeiro clube do futebol brasileiro em plataforma de NFTs, fechando parceria com a Sorare, plataforma em blockchain que usa NFTs em mistura de cards colecionáveis com fantasy game. O alvinegro planejava arrecadar R$ 22 milhões no ano, mas já atingiu R$ 27,5 milhões. O valor supera 2020, que foi de R$ 20,57 milhões. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade