Publicidade

Estado de Minas FASHION

Circuito fashion em ação no Prado

O BH à Porter, que está acontecendo até sexta-feira próxima na cidade, completa dez edições como projeto vitorioso para fomentar negócios no setor da moda pronta-entrega


postado em 22/09/2019 04:03 / atualizado em 19/09/2019 15:13

Looks de verão no hall de entrada do salão de negócios(foto: Ana Victória Z. Nascimento/divulgação)
Looks de verão no hall de entrada do salão de negócios (foto: Ana Victória Z. Nascimento/divulgação)


Os negócios no Prado estão movimentados, desde a semana passada, com a realização da décima edição do BH à Porter, promoção da Coopermoda-BH, que vai até 27 de setembro, com o objetivo de fortalecer o mercado de moda de Belo Horizonte, trazendo para a capital mineira lojistas de todo o país para se abasteceram nas prontas-entregas localizadas no bairro.
 
O evento chega para aquecer as vendas das coleções verão/20 e conta com um número recorde de participantes: 83 marcas, 68 consultores de moda e cerca de 170 compradores. Ivete Dantas, que assumiu recentemente a presidência da cooperativa, comemora o resultado, já que esta foi uma das maiores adesões desde que o projeto começou a ser realizado.
 
Lume(foto: Filipe Galgani/divulgação)
Lume (foto: Filipe Galgani/divulgação)
 
 
Um grande desafio, já que ele ameaçava pular essa temporada em função das dificuldades econômicas que as empresas vêm passando. Consciente da sua importância para a indústria de pronta-entrega que, em setembro vê os resultados caírem, a consultora partiu para conversas de pé de ouvido com os empresários, motivando-os a participarem do projeto.
 
“Consegui convencê-los que o BH à Porter já estava consolidado e não poderia ficar de fora da nossa agência comercial. No final, tivemos participação recorde, 20 marcas a mais”, garante Ivete, que festeja também a data propícia para que o comprador se animasse a visitar Minas Gerais para fazer negócios, uma vez que o Minas Trend ocorrerá só um mês depois, já com os lançamentos de pedidos para o inverno/21.
 
Ivete Dantas, que assumiu recentemente a presidência da cooperativa, comemora o resultado(foto: Ana Victória Z. Nascimento/divulgação)
Ivete Dantas, que assumiu recentemente a presidência da cooperativa, comemora o resultado (foto: Ana Victória Z. Nascimento/divulgação)
 
 
Tatiana Ferragini, que também presta consultoria de moda, pondera que, grande maioria das vezes, o evento era realizado em semana muito próxima ao salão mineiro, o que tornava o lojista arredio para viajar para Belo Horizonte, já que teria de fazê-lo duas vezes em um período de tempo curto. “Estou sentindo uma energia diferente, percebendo que os showrooms estão movimentados, os empresários animados. Tudo está muito organizado”, observa.
 
Para quem não é do meio, a dinâmica do BH à Porter consiste em uma grande ação entre as marcas da região do Prado e redondezas e os consultores de moda  - que azeitam o mercado levando os clientes para comprar nos showrooms - , com apoio das associações ligadas ao fashion, como Instituto Amem e Sindivest-MG. O propósito é bancar a vinda dos lojistas à cidade com oferta de passagens aéreas e hospedagem de dois dias para cada loja convidada, durante os dez dias do circuito fashion.
 
Ivete explica que os clientes são indicados pelas partes envolvidas no projeto e, do cruzamento de dados envolvendo alguns critérios, nasce um mailing assertivo, com a preocupação de valorizar aqueles compradores sempre presentes, resgatar os ausentes e captar novos nomes. “Felizmente, ao fazer a seleção, verificamos que tivemos poucos problemas com inadimplências, o que invibializaria algumas marcas. Ficamos surpresas, pois isto significa que o lojista está comprando e vendendo bem”, garante.
 
Exposição de looks das marcas participantes(foto: Ana Victória Z. Nascimento//divulgação)
Exposição de looks das marcas participantes (foto: Ana Victória Z. Nascimento//divulgação)
 
 
Segundo a consultora, um dos principais entraves para a realização de negócios no setor é a escassez de voos diretos para Belo Horizonte e o preço das passagens. “Uma das nossas preocupações foi pesquisar cidades com aeroportos para conseguir esses voos. Acredito que, apesar das ferramentas tecnológicas, como whatsapp e instagram, o empresário tem que vir à Belo Horizonte pelo menos uma vez durante a coleção. A presença física continua sendo importante”, observa. Para ela, a fidelização é importante para que Minas Gerais não perca vendas para outros estados. “Temos uma roupa diferenciada em qualidade e beleza, com oferta de vários estilos e isto tem que ser valorizado”, frisa.

Novidades Algumas novidades aparecem nessa edição: além dos três dias acrescentados à tradicional semana – antes eram sete dias -, os clientes foram agrupados de acordo com o seu interesse. “Essa segmentação é importante para direcionar as vendas e otimizar o tempo. Criamos grupos para moda festa, casual, modinha, jeanswear”, assegura.
 
O quartel-general do BH à Porter é o hotel Hilton Garden, no bairro Cidade Jardim, onde os lojistas estão hospedados. Lá está funcionando um pequeno salão de negócios composto por 13 marcas, que exibem suas coleções direcionando-as para os showrooms. Estão presentes desde empresas em início de carreira, como a Ahcor e a Antônia, quanto veteranas, como Patogê, Vidi Vici e Lume, com décadas de experiência.
 
Flávia e Isabela Cazar, por exemplo, estão mostrando o verão da Cazar, que está na terceira coleção, mas já conseguiu captar atenção dos consultores de moda com uma roupa bem acabada, misturas interessantes e alfaiataria consistente. Na Santaluz, o forte são as linhas fitness, beachwear & lifestyle. E na Lola sobressaem as t-shirts bordadas em estilo muito arrojado. Já a Trintênio mostra sua moda ligeira e urbana. “É uma participação institucional, já que não há vendas no local. Essas marcas pagaram para participar no salão de negócios e ficar próximas aos clientes”, explica Ivete.
 
Ela conta os lojistas estão sendo recebidos com a melhor hospitalidade mineira. O kit de boas vindas inclui uma ecobag personalizada, catálogo com fotos e informações de todas as grifes, uma cesta de doces mineiros e um lenço estampado com o logo do BH à Porter. O salão de negócios recebeu ainda um espaço “instagramável”, destinado à interação e direcionado às fotos para redes sociais. Em cenário summer, 13 manequins foram distribuídos pelo local e hall de entrada e vestem looks das marcas que estão participando da ação.
 
Quem está por detrás dessas ações é Alessandro Almeida, da Convert Midia, responsável pela produção do evento. Sua agência assina todo o design – da criação da identidade visual do projeto até o planejamento das ações de marketing - e é responsável também pelo marketing digital. “Fizemos tudo com muito carinho e cuidado. Nossa intenção é que os compradores, ao chegarem aqui, tenham uma experiência incrível. Completando a décima edição, o BH à Porter mostra maturidade, mas ainda com muito potencial de crescimento”, acredita.
 
Ele também ministrou workshop para gerentes e vendedoras das grifes que integram o projeto. O objetivo principal foi ouvir os participantes sobre suas dificuldades, necessidades e percepções sobre gestão de clientes e ações de marketing adotadas no dia a dia. “Mostramos como inovação e tecnologia podem melhorar a experiência de compra dos lojistas nos showrooms, proporcionando fidelização e negócio mais lucrativo. E abordamos também a importância do visual merchandising para impulsionar vendas dentro dos showrooms. A palestra sobre o tema foi feita por Camila Campos, que faz parte da minha equipe”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade